Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

02/03/2016

Aumenta demanda por "semeadura vaginal"

Redação do Diário da Saúde

Microparto

Os médicos estão relatando um aumento significativo no número de pais solicitando a chamada "semeadura vaginal" para os bebês nascidos por cesariana.

A prática, também conhecida como microparto, envolve esfregar um cotonete ou dispositivo similar na vagina da mãe e passá-lo sobre a boca, os olhos, o rosto e a pele do bebê logo após o nascimento por cesariana.

A ideia é que a semeadura vaginal permite que um bebê nascido por cesariana entre em contato com bactérias do canal de nascimento, algo que se acredita poder otimizar suas bactérias comensais e reduzir o risco de doenças como alergias ou obesidade.

Mas nem todos concordam com a prática.

"Simplesmente não há evidências que sugiram que isso traga benefícios - e pode acarretar riscos potenciais," critica o Dr. Aubrey Cunnington, médico do Imperial College de Londres e principal autor de um artigo criticando a prática do microparto publicado na revista médica BMJ (British Medical Journal).

Semeadura vaginal e microbioma

A prática da semeadura vaginal surgiu por conta de resultados de estudos que mostram que os bebês nascidos por cesariana têm um risco ligeiramente maior de condições como obesidade, alergias e doenças autoimunes, como a doença inflamatória intestinal.

Os dados de fato mostram que, em comparação com aqueles que nasceram de parto normal, esses bebês têm diferenças no microbioma, a coleção de milhões de bactérias que vivem em nossos intestinos.

"Há um monte de evidências de que as diferenças no microbioma estão associadas com risco de desenvolver doenças como alergias e obesidade," reforça o Dr. Cunnington.

Teoria e lógica

Uma teoria sugere que os benefícios ao microbioma podem ser gerados porque as bactérias às quais o bebê é exposto no canal de parto durante um parto vaginal colonizam seu intestino, ajudando a protegê-lo contra condições como as alergias.

Mas nesse ponto o Dr. Cunnington começa a discordar.

"As pessoas deram um salto de lógica de que as bactérias do intestino devem ser o elo entre a cesariana e o risco destas doenças. Mas nós simplesmente não temos certeza - ou até mesmo se nós podemos influenciar isso através da transferência de bactérias em um cotonete da mãe para o bebê," contesta ele.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cuidados com o Recém-nascido

Gravidez

Saúde da Mulher

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?