Ser rude com o médico piora qualidade do tratamento

Ser rude com o médico piora qualidade do tratamento
"Mesmo que os médicos tenham as melhores intenções em mente, como eles costumam ter, eles não podem se livrar da grosseria porque, sem uma capacidade de controlá-la, ela interfere com seu funcionamento cognitivo."
[Imagem: University of Florida]

Grosseria fatal

Nos hospitais, buscando os melhores cuidados para entes queridos, as emoções tendem a correr soltas.

Assim, não é incomum que os pacientes ou os entes queridos dos pacientes possam acabar sendo rudes com os médicos quando acreditam que os cuidados são inadequados ou não estão gerando os resultados na velocidade esperada.

Mas repreender o médico de seu filho pode ter consequências graves - até mesmo fatais.

Amir Erez e Trevor Foulk, da Universidade da Flórida (EUA), afirmam que seus novos resultados reforçam sua pesquisa anterior, que já havia mostrado que ser rude com médicos e enfermeiros tem "efeitos devastadores sobre o desempenho médico".

Grosseria afeta desempenho dos médicos

Nos experimentos comparativos, as equipes médicas que foram vítimas de comportamentos rudes tiveram um desempenho pior do que os grupos de controle em todos os 11 critérios de avaliação, que incluíam a exatidão do diagnóstico, a partilha de informação, o plano de terapia e a comunicação - foram usados cinco cenários diferentes, mostrando que os efeitos negativos da grosseria duram o dia inteiro, o que impacta severamente os cuidados.

"A grosseria de fato afeta o sistema cognitivo, que afeta diretamente a capacidade [do médico] de executar," disse Erez. "Isso nos diz algo muito interessante. As pessoas podem pensar que os médicos devem apenas 'superar' o insulto e continuar a fazer o seu trabalho. No entanto, o estudo mostra que, mesmo que os médicos tenham as melhores intenções em mente, como eles costumam ter, eles não podem se livrar da grosseria porque, sem uma capacidade de controlá-la, ela interfere com seu funcionamento cognitivo."

No ano passado, um estudo feito na Universidade Johns Hopkins estimou que mais de 250.000 mortes são atribuídas a erros médicos nos EUA anualmente - o que seria a terceira principal causa de morte no país, de acordo com estatísticas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Alguns erros podem ser explicados pela má avaliação da situação pelo médico devido ao sono, em razão de jornadas extenuantes. Esse tipo de circunstância, de acordo com pesquisas anteriores de Erez e Foulk, representam de 10 a 20% da variação no desempenho dos médicos.

Mas os efeitos dos comportamentos rudes por parte dos pacientes ou seus acompanhantes representam mais de 40% dessa queda no desempenho.

Como lidar com a grosseria

A boa notícia é que há ferramentas que os hospitais podem usar para combater os efeitos deletérios das agressões verbais e dos comportamentos rudes dos pacientes e acompanhantes.

As intervenções antigrosseria testadas incluem um jogo de computador baseado em uma técnica cognitivo-comportamental destinada a elevar o limiar de sensibilidade dos participantes para a raiva e a agressão.

"É realmente chocante como a coisa funcionou bem. Eles foram basicamente imunizados dos efeitos da grosseria. O que realmente interessa é que, ao meio-dia, essas equipes reconheceram que a mãe era rude com eles. Mas, no final do dia, não se deram conta [da agressão]," disse Erez.

Considerando estes resultados e o grande número de mortes atribuídas a erros médicos, ensinar os médicos a lidar com a grosseria de forma mais eficaz deve ser uma prioridade para a comunidade médica, concluem os dois pesquisadores.

O estudo foi publicado na revista médica Pediatrics.


Ver mais notícias sobre os temas:

Atendimento Médico-Hospitalar

Ética

Relacionamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.