Sexo na gravidez é seguro?

Recomendações sobre sexo na gravidez

O sexo na gravidez é "geralmente seguro, com poucas complicações".

Esta é a mensagem que consta de uma nova cartilha elaborada para médicos, publicada hoje pelo Jornal da Associação Médica do Canadá.

O objetivo da cartilha é dar aos médicos as informações científicas mais recentes para o aconselhamento seguro às pacientes sobre sexo na gravidez.

Riscos do sexo na gravidez

Os riscos do sexo durante a gravidez, embora "incomuns", segundo a cartilha, incluem trabalho de parto prematuro, doença inflamatória pélvica, hemorragia na placenta prévia (quando a placenta cobre parte do colo do útero) e coágulos sanguíneos.

Embora as evidências sejam limitadas e até contraditórias entre os diversos estudos científicos sobre o assunto, o documento desaconselha o ato sexual para mulheres em risco de parto prematuro.

Nas mulheres com baixo risco inicial de parto prematuro, a relação sexual frequente mostrou-se associada com um maior risco de parto prematuro apenas nas mulheres com infecções do trato genital.

Nas mulheres com maior risco - esperando mais de um bebê, com incompetência cervical ou com um histórico de trabalho de parto prematuro - as evidências encontradas até agora são muito limitadas para fundamentar as recomendações.

"Em grupos com maior risco de parto pré-termo, não há evidências que sugiram um benefício claro de restrições da atividade sexual. No entanto, esta é uma intervenção simples que não causa dano e pode ser uma recomendação razoável até que surjam melhores evidências," afirma o documento endereçado aos médicos.

Em casos raros, alguns tipos de atividade sexual que empurram ar para dentro da vagina podem resultar em um coágulo de sangue do útero, que geralmente é fatal, com riscos para o bebê e para a mãe.

Disposição e conforto

"Sexo na gravidez é normal," escrevem os autores. "Existem muito poucas contra-indicações comprovadas e riscos do intercurso em gestações de baixo risco e, portanto, estas pacientes devem ser tranquilizadas," diz o documento.

"Em gestações complicadas por placenta prévia ou com um maior risco de parto prematuro, as evidências são suficientes para embasar a recomendação de abstinência, mas é uma recomendação benigna razoável dadas as consequências teoricamente catastróficas," escrevem os especialistas, ligados à Universidade de Toronto.

Eles afirmam que não há nenhuma evidência para a teoria de que o sexo na gravidez possa induzir o parto, e que não se conhecem resultados negativos para as mulheres com gravidezes de baixo risco.

Os autores concluem que o nível de conforto e a disposição para se engajar na atividade sexual por parte da mulher devem ser os principais guias tanto para o sexo durante a gravidez quanto para o período pós-parto.


Ver mais notícias sobre os temas:

Gravidez

Sexualidade

Saúde da Mulher

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.