Os desafios da Síndrome do Ovário Policístico

Cistos

A Síndrome do Ovário Policístico (SOP) é um distúrbio hormonal que provoca formação de cistos no ovário, o que faz com que o órgão aumente de tamanho.

O problema atinge principalmente mulheres em idade reprodutiva e se caracteriza pela menstruação irregular, alta produção de testosterona (hormônio masculino) e presença de microcistos nos ovários.

A ciência ainda não compreende as causas da Síndrome do Ovário Policístico, o que recentemente fez com que um painel de especialistas recomendasse a mudança do nome da doença porque esse nome centra-se em um critério que não é nem necessário e nem suficiente para diagnosticá-la.

Há hipóteses indicando origens genéticas e origens ambientais, e estudos indicam uma possível ligação entre a doença e um aumento de hormônios tipicamente masculinos na corrente sanguínea da mulher.

Distúrbio hormonal

O excesso de testosterona faz algumas portadoras da síndrome apresentarem características masculinas, como excesso de pelos, além de aparecimento de acne. Ainda na adolescência, a menstruação pouco frequente ou ausente pode ser sinal da doença.

Mulheres com a Síndrome do Ovário Policístico geralmente apresentam infertilidade ou dificuldade para engravidar.

O diagnóstico precoce pode ajudar a reduzir o risco de complicações. O tratamento para síndrome do ovário policístico geralmente trata os sintomas e as complicações, tais como infertilidade, acne ou obesidade. Em casos mais graves pode ser necessário cirurgia.

Caso a mulher sinta alguns destes sintomas ela deve procurar um ginecologista que poderá encaminhá-la para o tratamento mais adequado.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde da Mulher

Sexualidade

Gravidez

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.