Telefone celular reduz fertilidade masculina

Mecanismos intrigantes

Homens que foram diagnosticados com má qualidade do esperma e que estão tentando ter filhos devem limitar seu uso do telefone celular.

Pesquisadores canadenses descobriram que, embora o uso do telefone celular pareça aumentar o nível de testosterona circulando no organismo, ele pode também levar à baixa qualidade do esperma e a uma diminuição na fertilidade.

"Nossos resultados foram um tanto surpreendentes," diz Rany Shamloul, da Universidade de Queens, no Canadá. "Esperávamos encontrar resultados diferentes, mas os dados sugerem que pode haver alguns mecanismos intrigantes em ação."

Testosterona e hormônio luteinizante

A equipe de pesquisadores descobriu que homens que relataram o uso de celulares apresentam níveis mais altos de testosterona circulante.

Por outro lado, eles também apresentaram níveis menores do hormônio luteinizante (LH), um importante hormônio reprodutivo que é secretado pela glândula pituitária no cérebro.

Os pesquisadores acreditam que as ondas eletromagnéticas emitidas pelos telefones celulares podem ter um duplo efeito sobre os níveis dos hormônios masculinos e sobre a fertilidade.

Efeitos das ondas eletromagnéticas

A radiação eletromagnética pode aumentar o número de células dos testículos que produzem testosterona.

No entanto, ao diminuir os níveis do hormônio luteinizante excretado pela glândula pituitária, essas ondas eletromagnéticas também podem bloquear a conversão deste tipo básico de testosterona circulante para sua forma mais ativa e potente, associada com a produção de esperma e com a fertilidade.

Pesquisas mais aprofundadas serão necessários para determinar a forma exata com que a radiação eletromagnética afeta a fertilidade masculina.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sexualidade

Sistema Nervoso

Saúde do Homem

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.