Tentações são mais poderosas do que as pessoas pensam

Tentações são mais poderosas do que pessoas pensam

Por que caímos em tentação?

Por que as pessoas sucumbem às tentações da ganância, da luxúria e dos comportamentos autodestrutivos, colocando em risco seus relacionamentos e sua própria saúde?

Uma nova pesquisa, feita na Kellogg School of Management (EUA), demonstra que as pessoas acreditam ter mais autocontrole do que na verdade têm - o que, em última instância, leva a decisões mal feitas, que lhe trarão prejuízos.

Em outras palavras, as pessoas estão mais sujeitas às "tentações" do que se dão conta, o que faz com que elas "caiam em tentação" mais frequentemente do que gostariam, esteja o fato relacionado a questões tão distintas quanto relacionamentos afetivos ou dietas para emagrecimento.

O poder dos desejos

A pesquisa, liderada por Loran Nordgren, examinou como a confiança das pessoas em suas habilidades para controlar impulsos como ganância, vícios de drogas e interesses sexuais influencia suas reações às tentações.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas, em média, mostram um "desvio de moderação" que as faz calcular incorretamente a dimensão da tentação que eles podem de fato suportar, o que as leva a uma grande propensão a ceder aos vícios e aos desejos.

"As pessoas não são boas em prever o poder dos seus desejos e aqueles que são mais confiantes com relação ao seu autocontrole também são os mais propensos a cair em tentação," disse Nordgren.

Ficar longe das tentações e humildade

A solução para o problema pode parecer simples. "A chave é simplesmente evitar quaisquer situações onde os vícios e outras fraquezas lhe desafiem e, mais importante, as pessoas devem manter uma visão mais humilde da sua própria força de vontade," diz o pesquisador.

Os pesquisadores citam estudos anteriores que demonstraram que as pessoas frequentemente têm dificuldade para avaliar a força dos seus momentos impulsivos. Pessoas em um estado de serenidade, que não estejam experimentando raiva, fome ou desejos sexuais, tendem a subestimar como um estado "quente", impulsivo, irá influenciar seu comportamento.

"Um sistema que assume que as pessoas irão controlar a si mesmas está fadado ao fracasso devido a esse viés da moderação. Nós expomos nós mesmos a mais tentações do que seria sábio e, como consequência, temos milhões de pessoas sofrendo com obesidade, vícios e outros estilos de vida menos saudáveis," diz o cientista.

Não julgar

Nordgren afirma que as conclusões não se restringem às tentações pessoais ou de vícios de qualquer tipo. "Entendendo o poder da tentação, você também poderá perguntar sobre em que medida nós precisamos de normas regulatórias para os negócios e para os líderes políticos."

Além disso, esta pesquisa sugere que quem olha de fora pense duas vezes antes de julgar aqueles que caem vítimas das tentações, porque a maioria das pessoas superestima sua capacidade de controlar seus próprios impulsos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Emoções

Sexualidade

Espiritualidade

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.