Tomate roxo criado no Brasil ajuda prevenir o câncer

Tomate roxo não-transgênico pode ajudar a prevenir o câncer
Todo o processo de melhoramento genético do tomate roxo aconteceu por meio de simples cruzamentos, sem usar transgênicos.
[Imagem: Ag.USP]

Tomate contra o câncer

Pesquisadores da ESALQ (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) da USP, desenvolveram uma nova variedade de tomate, sem utilizar transgênicos.

A particularidade do fruto é que ele é roxo, por ter predominância do pigmento antioxidante antocianina, que pode ajudar a prevenir o câncer.

Em 2008, cientistas do Centro John Innes, em Norwich (Reino Unido), desenvolveram um "tomate púrpura" com características parecidas, entretanto, utilizavam-se da transgenia, o que não acontece na pesquisa do professor Lázaro Eustáquio Pereira Peres.

Antioxidantes

De acordo com Peres, além da antocianina inserida nessa nova variedade, o tomate comum já é rico em antioxidante, o licopeno, que dá a cor avermelhada ao fruto e inibe a ação dos radicais livres no organismo, contribuindo para prevenir o desenvolvimento de várias doenças cardiovasculares e câncer.

"Na verdade, o que fizemos foi criar um alimento funcional. Ou seja, produzimos uma hortaliça que faz parte, em larga escala, da alimentação humana. Por meio de cruzamentos, criamos uma variedade com substâncias e funções terapêuticas no organismo", esclarece Peres.

A inserção da antocianina na fruta, além de modificar sua cor, também criou um vegetal mais completo, com prioridades nutricionais importantes e benéficas, principalmente para quem não ingere alimentos desse tipo com a frequência devida.

Vitamina C

Peres esclarece que o resultado do acúmulo de antocianinas não prejudica a quantidade de licopeno já existente na fruta. Trata-se de antioxidantes diferentes, e que não entram em contato um com o outro, por serem armazenados em locais distintos na planta.

"Há evidências de que alimentos que acumulam simultaneamente licopeno e antocianinas sejam mais eficazes como antioxidantes do que aqueles que acumulam separadamente, já que estes dois pigmentos são complementares", explica o professor.

"Outra utilidade surgida com essa nova variedade é o aumento da quantidade de vitamina C, sendo esse ganho inerente à via fisiológica explorada para criar o tomate não transgênico, o que não ocorre com o tomate roxo transgênico. Assim, elevamos significativamente o nível de compostos ativos num mesmo vegetal", completa o pesquisador da Esalq.

Vantagens de não ser transgênico

Além de todos os benefícios apresentados, a maior vantagem do tomate roxo desenvolvido no Brasil é sua criação não-transgênica.

Nessa pesquisa, todo o processo de melhoramento genético aconteceu por meio de simples cruzamentos, ao se identificar que determinadas mutações - que controlam o acúmulo de antocianinas - poderiam ser agrupadas em uma mesma variedade de tomateiro.

Por não ser transgênica, a fruta não precisa da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), que regula o tema no País.

O tomate roxo já pode ser cultivado por empresas de melhoramento genético, e, caso exista interesse comercial, poderá ser consumido pelos brasileiros em cerca de três anos.

Para obter o tomate roxo, os produtores precisariam comprar a semente original, uma vez que as plantas da primeira geração são homogêneas - isto é, tem a mesma aparência, mas não as da segunda, devido às suas mutações.


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Conservação de Alimentos

Genética

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.