Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

04/08/2014

Tratamento com células-tronco gera células do nariz na coluna da paciente

Com informações da New Scientist

Uma mulher norte-americana desenvolveu uma espécie de tumor oito anos após um tratamento com células-tronco para tentar curar sua paralisia.

Tem havido uma série de casos de tratamentos com células-tronco que causam tumores, mas este parece ser o primeiro caso em que o tratamento foi aplicado em um hospital ocidental como etapa avançada de um ensaio clínico aprovado pelas autoridades de saúde e reconhecido como válido pela comunidade científica.

A mulher norte-americana, cujo nome não foi revelado, recebeu o tratamento experimental em um hospital em Portugal na tentativa de curar sua tetraplegia.

O procedimento usou um tecido contendo células semelhantes a células-tronco, retiradas do nariz da própria paciente, e implantado em sua espinha. A esperança era que essas células se desenvolvessem em células neurais e ajudassem a reparar os danos nos nervos da coluna, fazendo-a recuperar seus movimentos.

O tratamento não deu certo - longe disso.

No ano passado, a mulher, então com 28 anos, passou por uma cirurgia por causa do agravamento das dores no local do implante.

Células nasais na coluna

Os cirurgiões removeram um aglomerado celular de 3 centímetros de comprimento, parecido com um tumor.

Os exames revelaram que o aglomerado consistia principalmente de tecido nasal, bem como de fragmentos de ossos e pequenas ramificações nervosas que não tinham se conectado com os nervos da coluna vertebral.

O aglomerado não era canceroso, mas estava secretando "um abundante material espesso parecido com muco", que provavelmente estava pressionando dolorosamente a coluna da paciente, segundo o Dr. Brian Dlouhy, da Universidade de Iowa (EUA), o neurocirurgião que removeu o tecido.

"É preocupante," disse o Dr. George Daley, pesquisador de células-tronco na Escola de Medicina de Harvard, que tem ajudado a compor orientações para as pessoas que estão pensando em se submeter a tratamentos com células-tronco. "Isto fala diretamente do quanto é primitivo o estado do nosso conhecimento sobre como as células-tronco se integram, se dividem e se expandem."

O caso mostra que, mesmo quando realizados em hospitais de ponta, terapias experimentais com células-tronco podem ter consequências imprevisíveis, acrescenta o Dr. Alexey Bersenev, pesquisador que trabalha com células-tronco. "Nós temos de reconhecer que complicações também podem acontecer em um ensaio clínico," disse ele.


Ver mais notícias sobre os temas:

Células-tronco

Câncer

Dores Crônicas

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?