Um quarto das mães não pretende seguir agenda de vacinação

Um quarto das mães não pretende seguir agenda de vacinação
Depois de anos de educação e bons resultados, acreditava-se que a postura antivacinação fosse marginal na população, mas a parcela de não adeptos já chega a um quarto das mães.
[Imagem: USAID/Wikimedia Commons]

Mães contra vacinas

Depois do susto inicial com o comportamento de alguns pais contestadores, médicos e cientistas agora se deram conta de que a postura antivacinação não está restrita a pequenas comunidades, não podendo mais ser ignorada.

Um novo levantamento mostrou que até um quarto das futuras mães - grávidas do primeiro filho - não planejam seguir a agenda de vacinação recomendada para seus filhos.

De acordo com o professor Glen Nowak, da Universidade da Geórgia (EUA), o perfil das mães parece estar mudando no tocante à educação sobre a saúde, com a internet representando uma importante fonte de informação, balizando o comportamento de muitas dessas mães que não se mostram tão atraídas para as vacinas.

Radicais e não radicais

Os dados mostram que 25% das mães não têm planos de aderir naturalmente à agenda de vacinação: 10,5% delas pretendem dar aos filhos algumas vacinas, mas de forma mais espalhada no tempo; 4% pretendem dar apenas algumas vacinas; e 10,5% estão indecisas.

O resultado é mais preocupante considerando que os pesquisadores eliminaram dos seus dados as mães que são radicalmente contra as vacinas, e que não pretendem dar nenhuma delas a seus filhos. A equipe estima que 1% das mães tenham essa postura radical antivacinação.

"A maioria das futuras mães indicou que estavam interessadas em informações sobre as vacinas infantis, mas muitas delas não estavam procurando ativamente por essas informações, e muito poucas receberam qualquer informação dos profissionais de saúde," disse o professor Nowak.

Postura crítica

Mesmo entre os 75% das mães que pretendem seguir as recomendações, há sinais de um comportamento crítico em relação às vacinas: em toda a amostra pesquisada, 59,5% acredita que a imunização é "muito importante" e 25% que é "importante" para manter as crianças saudáveis.

O estudo também mostrou que, embora a maioria das mulheres grávidas indicasse já ter ouvido mensagens educativas comumente usadas sobre vacinas (por exemplo, "Vacinas previnem doenças potencialmente mortais"), há grandes lacunas de percepção sobre o assunto, e muitas mães indicaram que não acreditavam que algumas das mensagens comumente usadas fossem verdadeiras.

O estudo foi publicado no American Journal of Preventive Medicine.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vacinas

Cuidados com o Recém-nascido

Educação

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.