Surge uma nova droga sintética por semana na Europa

Invasão das drogas

A rapidez no aparecimento de novos tipos de drogas está colocando em xeque as autoridades da Europa.

Em 2011 surgiu em média um novo tipo de droga a cada semana.

No total foram identificados 49 novos compostos, todos sintéticos, ou seja, feitos em laboratório.

Segundo a União Europeia, isso representa um crescimento de 20% em relação às 41 novas drogas que surgiram em 2010.

Mefedrona

A União Europeia (UE) e a ONU têm suas listas de drogas proibidas, mas fica a cargo de cada país endossar ou não essas proibições.

A última substância que passou a fazer parte das duas listas é a mefedrona - vendida com o nome de miau-miau.

Em Portugal, o consumo é descriminalizado, mas não a produção e a venda.

Mas a polícia se diz impotente porque só pode agir depois que cada nova substância é identificada e colocada na de substâncias ilícitas, um processo que pode levar dois anos.

Inadequado para consumo humano

A quantidade de novas drogas levou a União Europeia a criar um sistema para monitorar o aparecimento de novas drogas no mercado.

"Cada vez que se detecta uma droga em qualquer país da União Europeia, a informação é passada para o sistema de alerta rápido," explica Ana Gallegos, pesquisadora do Observatório Europeu das Drogas e da Toxicodependência.

Segundo Ana, após a identificação da nova droga - através de equipamentos de espectrografia de massas e ressonância magnética nuclear - é feita uma análise de risco sobre os impactos na saúde.

Um dos estratagemas usados pelos produtores de narcóticos para driblar a fiscalização é curioso: colocar no rótulo que se trata de produto inadequado para consumo humano - o que não deixa de ser verdade.

A mefedrona, por exemplo, que é um estimulante com efeitos semelhantes à cocaína e ao ecstasy, apresentava na embalagem a indicação de que era um fertilizante.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vícios

Drogas Lícitas

Tabagismo

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.