Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

02/12/2015

Usando luz para tratar Alzheimer

Redação do Diário da Saúde
Usando luz para tratar Alzheimer
A formação de depósitos de beta-amiloide em moscas da fruta foi interrompida usando porfirina e LEDs azuis.[Imagem: KAIST]

Luz no cérebro

Uma equipe de pesquisas da Coreia do Sul conseguiu suprimir um conjunto anormal de beta-amiloides, uma proteína comumente encontrado no cérebro, usando uma substância ativada pela luz.

Os tratamentos à base de luz usando moléculas fotossensibilizadoras - a chamada terapia fotodinâmica - já vêm sendo largamente utilizados, sobretudo em tratamentos contra o câncer.

Mas o objetivo de Chan Beum Park e Kwon Yu, do Instituto KAIST, é começar a explorar a terapia fotodinâmica para tratar doenças neurodegenerativas.

Terapia fotodinâmica contra Alzheimer

No caso dos tratamentos de câncer com a terapia fotodinâmica, os médicos injetam um fotossensibilizador orgânico no paciente, e uma luz é usada para ativar o fotossensibilizador e destruir as células cancerosas. Colocando a luz apenas sobre a lesão, a ação é local e muito eficaz.

Neste novo experimento, a equipe conseguiu impedir o acúmulo de beta-amiloides usando a luz de LEDs azuis e um indutor de porfirina, que é um composto orgânico biocompatível.

Ao absorver a energia da luz, a porfirina ganha energia. Quando ela retorna ao seu estado fundamental, ela libera a energia, o que cria oxigênio ativo. O oxigênio ativo então oxida os monômeros beta-amiloides e impede a sua estruturação em uma "placa".

Ajustando o alvo

Por enquanto, a técnica foi testada apenas em drosófilas, que foram alteradas geneticamente para modelar a doença de Alzheimer.

"Este trabalho é importante na medida em que foi o primeiro a usar luz e um fotossensibilizador para interromper o depósito de beta-amiloides. Pretendemos levar a pesquisa adiante por meio de testes de compatibilidade com outros fotossensibilizadores orgânicos e inorgânicos e usando camundongos como cobaias," disse o professor Park.

Por outro lado, várias pesquisas já questionam o papel das placas de beta-amiloides na doença de Alzheimer, que podem ser uma defesa do cérebro, e não a causa da doença:


Ver mais notícias sobre os temas:

Fotônica

Neurociências

Cérebro

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento