Uso de álcool e drogas por moradores de rua tem abordagem equivocada

Política equivocada

Após três anos de estudos com moradores de rua, o psicólogo Walter Varanda obteve subsídios para considerar que as políticas públicas empregadas para abordar esse problema estão equivocadas.

"Não é possível resolver o problema retirando os albergues do centro e fechando as bocas de fumo da Cracolândia - zona do centro de São Paulo com alto consumo e venda de crack, onde foi feita a pesquisa. As pessoas que fazem uso de drogas, por exemplo, vão continuar usando, só não vão usar naquele mesmo local, ou seja, estão transferindo a Cracolândia, mudando de endereço", afirma.

Varanda trabalha há 20 anos com moradores de rua e em 2005 coordenou a área de Proteção Social Especial na Prefeitura de São Paulo, onde há hoje cerca de 12.000 pessoas que vivem nas ruas. Para a sua pesquisa de doutorado, realizada na Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, o pesquisador entrevistou moradores de rua e depreendeu algumas situações recorrentes do uso de drogas.

Razões para o uso de drogas e álcool

Geralmente, as razões para o uso abusivo de drogas e álcool é a mesma que os levou para as ruas. Estão relacionadas às dificuldades de afirmação no mercado de trabalho e experiências desestruturantes, como a violência familiar, trabalho infantil, abandono e prisão. "Existe a interpretação de que essas pessoas foram para as ruas por causa do vício, mas na maioria dos casos ocorre o contrário, a pessoa se tornou um usuário abusivo por estar na rua".

O psicólogo diz que é importante lembrar que o uso de psicoativos, drogas que causam alteração de consciência, está presente em toda a história. "Em todas as culturas, há o consumo de psicoativos, principalmente, ligado ao uso ritual e religioso." Hoje, além desses casos, há o uso cotidiano, o consumo em situações de sociabilização, como festas e eventos empresariais, por exemplo. "Temos que entender de formas diferentes esses usos. Os moradores de rua apresentam um consumo muito mais intenso do que nessas outras situações e por razões diferentes também, mas não podemos abordá-los simplesmente como pessoas que têm uma doença e que precisam de tratamento", explica o psicólogo.

O problema do uso de drogas e álcool por moradores de rua, de acordo com Varanda, é multifatorial: "Se estas pessoas tivessem trabalho, uma condição mais humana de sobrevivência, não estariam bebendo. Comprovamos isso em várias situações em que não houve nenhuma intervenção diretamente relacionada à saúde, mas houve uma mudança nas suas condições de vida e a pessoa parou de usar". Ele faz a ressalva de que em alguns casos, o principal problema é a substância psicoativa "mas na maioria deles, não".

Entre outros fatores relacionados ao uso de drogas, estão o frio, a compensação do estresse da vida de rua e da degradação dessa situação, e mesmo para a sociabilização com outras pessoas na mesma situação por questões de sobrevivência e segurança. Segundo Varanda, "alguém que precisa carregar uma carroça pesada cheia de sucata, que tem de revirar latões de lixo em frente a outras pessoas, competir com carros e motos por espaço e tem essa como a única alternativa de ganho está mais propenso a usar álcool e drogas como forma de suportar e enfrentar tudo isso. Então, precisamos nos confrontar com a situação em que o morador de rua vive e não simplesmente com a doença que consideramos que ele tenha."

Abordagens higienizantes e medicalizantes

As principais abordagens do problema "população de rua" ainda são consideradas higienizantes e medicalizantes. Entende-se por higienização a retirada e transferência dos moradores de rua de onde vivem, no caso de São Paulo, a tentativa de deslocamento dessa população do centro da cidade.

"A população de rua é considerada uma contaminação do espaço público. Vistos desta forma, eles são o resíduo do descarte humano, uma população que é excedente do ponto de vista produtivo. Nesse caso, o foco não é a pessoa, mas o mal estar que ela provoca pela simples presença dela debaixo de uma marquise. Nós abordamos o problema retirando a pessoa do lugar em que ela se encontra, resolvendo o problema estético da cidade.", opina Varanda.

A medicalização, segundo ele, leva a uma culpabilização do indivíduo pela situação em que ele se encontra, tratando-se a droga e o álcool como substâncias patogênicas e minimizando os fatores sócio-econômicos relacionados à questão. "Se você resolver levar o morador de rua para um Narcóticos Anônimos ou para um Alcoólicos Anônimos, ele até pode parar de beber ou usar drogas temporariamente. Mas vai continuar na rua, sem ter onde morar e como se sustentar. Portanto, essas abordagens estão de antemão fadadas ao fracasso", afirma.

A melhor abordagem do problema seria, na opinião do pesquisador, uma atuação "intersecretarial". "O Poder Público pode proporcionar programas de moradia, trabalho, saúde e educação para essa população, dentro de uma política pública séria e abrangente para o enfrentamento do problema", conclui.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vícios

Drogas Lícitas

Gestão em Saúde

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.