Brasileiros desenvolvem vacina terapêutica contra o câncer

Brasileiros desenvolvem vacina terapêutica contra o câncer
Ao contrário do que o nome sugere, a vacina não é feita para que pessoas saudáveis se protejam do câncer - trata-se de uma vacina terapêutica, usada em tratamentos de pacientes já com a doença.
[Imagem: USP]

Células dendríticas

Uma equipe da Faculdade de Medicina da USP desenvolveu uma vacina personalizada contra o câncer.

A chave para o avanço está nas células dendríticas, componentes do sistema imunológico responsáveis principalmente pela identificação e captura de agentes estranhos presentes no corpo humano.

Em uma pessoa com câncer, a célula dendrítica não reconhece o tumor como algo estranho ao corpo e portanto, não o combate.

O princípio da vacina "é avisar ao sistema imunológico que aquilo é algo ruim para o corpo e que o sistema deve entrar na briga" explica o Dr. José Alexandre Barbuto, coordenador da pesquisa.

Vacina terapêutica

Ao contrário do que o nome sugere, a vacina não é feita para que pessoas saudáveis se protejam do câncer.

"O nome confunde muita gente, mas uma vacina não é só preventiva, ela pode ser terapêutica também, servir como alternativa de tratamento a determinada doença", afirma o pesquisador.

A vacina desenvolvida pelo Dr. José Alexandre é feita em doses únicas, específicas para cada paciente, já que, como alerta o professor, "cada câncer é único".

São retiradas células dendríticas do sangue do paciente, que carregam um marcador do tumor, e fundidas à base de choques com outras células de doadores sanguíneos saudáveis.

Pacientes terminais

A vacina terapêutica já foi testada em dois tipos de câncer: o mais agressivo de todos, que é o melanoma (câncer de pele) e o câncer de rim, normalmente em pacientes em estágio terminal.

Na maioria dos pacientes, o tumor parou de crescer, o que Dr. José Alexandre considera como um "super resultado".

Nestes pacientes terminais, a estimativa de vida mais que dobrou.

Com o avanço das pesquisas, o professor espera que, em breve, a vacina possa ser utilizada em escala maior e que ajude não só pacientes em estágio terminal, mas também em início de tratamento, para torná-lo menos sofrível e doloroso, como no caso das quimioterapias.

Neuroblastoma

Um outro tipo de câncer que há pouco tempo está sendo estudado pelo professor é o neuroblastoma, comum em crianças, cujo desenvolvimento é um pouco diferente dos demais.

Segundo Dr. José Alexandre, "é um câncer que às vezes 'sara' sozinho, mas não há cura definitiva. Opera-se, transplanta-se, e ele pode voltar".

A vacina contra o neuroblastoma é feita do mesmo modo, e é aplicada logo após a cirurgia tradicional, para não dar tempo para que o tumor volte a se desenvolver.

Como seu principal resultado é interromper o crescimento do câncer, o método tem se mostrado eficaz.

No entanto, Dr. José Alexandre lembra que "ainda não é possível comprovar os resultados, já que o método e a pesquisa são bastante recentes. É preciso esperar mais algum tempo para que tenhamos respostas mais confiáveis", afirma.


Ver mais notícias sobre os temas:

Câncer

Vacinas

Sistema Imunológico

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.