Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

06/07/2012

Brasileiros desenvolvem vacina terapêutica contra o câncer

Com informações do USP Online
Brasileiros desenvolvem vacina terapêutica contra o câncer
Ao contrário do que o nome sugere, a vacina não é feita para que pessoas saudáveis se protejam do câncer - trata-se de uma vacina terapêutica, usada em tratamentos de pacientes já com a doença.[Imagem: USP]

Células dendríticas

Uma equipe da Faculdade de Medicina da USP desenvolveu uma vacina personalizada contra o câncer.

A chave para o avanço está nas células dendríticas, componentes do sistema imunológico responsáveis principalmente pela identificação e captura de agentes estranhos presentes no corpo humano.

Em uma pessoa com câncer, a célula dendrítica não reconhece o tumor como algo estranho ao corpo e portanto, não o combate.

O princípio da vacina "é avisar ao sistema imunológico que aquilo é algo ruim para o corpo e que o sistema deve entrar na briga" explica o Dr. José Alexandre Barbuto, coordenador da pesquisa.

Vacina terapêutica

Ao contrário do que o nome sugere, a vacina não é feita para que pessoas saudáveis se protejam do câncer.

"O nome confunde muita gente, mas uma vacina não é só preventiva, ela pode ser terapêutica também, servir como alternativa de tratamento a determinada doença", afirma o pesquisador.

A vacina desenvolvida pelo Dr. José Alexandre é feita em doses únicas, específicas para cada paciente, já que, como alerta o professor, "cada câncer é único".

São retiradas células dendríticas do sangue do paciente, que carregam um marcador do tumor, e fundidas à base de choques com outras células de doadores sanguíneos saudáveis.

Pacientes terminais

A vacina terapêutica já foi testada em dois tipos de câncer: o mais agressivo de todos, que é o melanoma (câncer de pele) e o câncer de rim, normalmente em pacientes em estágio terminal.

Na maioria dos pacientes, o tumor parou de crescer, o que Dr. José Alexandre considera como um "super resultado".

Nestes pacientes terminais, a estimativa de vida mais que dobrou.

Com o avanço das pesquisas, o professor espera que, em breve, a vacina possa ser utilizada em escala maior e que ajude não só pacientes em estágio terminal, mas também em início de tratamento, para torná-lo menos sofrível e doloroso, como no caso das quimioterapias.

Neuroblastoma

Um outro tipo de câncer que há pouco tempo está sendo estudado pelo professor é o neuroblastoma, comum em crianças, cujo desenvolvimento é um pouco diferente dos demais.

Segundo Dr. José Alexandre, "é um câncer que às vezes 'sara' sozinho, mas não há cura definitiva. Opera-se, transplanta-se, e ele pode voltar".

A vacina contra o neuroblastoma é feita do mesmo modo, e é aplicada logo após a cirurgia tradicional, para não dar tempo para que o tumor volte a se desenvolver.

Como seu principal resultado é interromper o crescimento do câncer, o método tem se mostrado eficaz.

No entanto, Dr. José Alexandre lembra que "ainda não é possível comprovar os resultados, já que o método e a pesquisa são bastante recentes. É preciso esperar mais algum tempo para que tenhamos respostas mais confiáveis", afirma.


Ver mais notícias sobre os temas:

Câncer

Vacinas

Sistema Imunológico

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?