Veneno de cobra produz analgésico superior à morfina

Veneno de cobra produz analgésico superior à morfina
O veneno de uma das cobras mais rápidas e mais mortais da Terra - mamba-preta (Dendroaspis polylepis) - é a chave para um anestésico melhor do que a morfina.
[Imagem: Bill Love/Wikipedia]

Analgésico de cobra

A picada de uma mamba-preta (Dendroaspis polylepis) pode matar uma pessoa em meia hora.

Mas esse mesmo veneno, de uma das cobras mais rápidas e mais mortais da Terra, é a chave para um anestésico melhor do que a morfina.

Além de ter efeito similar sobre a dor, o composto derivado da cobra africana não tem os efeitos colaterais da morfina.

Anne Baron, do Centro Nacional de Pesquisas Científicas da França (CNRS) estava testando centenas de compostos em busca de um capaz de bloquear os canais iônicos nos nervos que detectam substâncias ácidas.

Esses canais iônicos são os caminhos principais pelos quais a dor percorre o organismo até ativar o cérebro.

E, curiosamente, o mais eficiente desses compostos foi o veneno da mamba-preta.

Mambalginas

De posse dos resultados, a equipe partiu para isolar as proteínas no veneno que desempenham o papel sobre o sistema nervoso.

Os cientistas batizaram as proteínas de mambalginas, que foram então purificadas para testes em animais.

Os experimentos mostraram que as mambalginas funcionam de forma diferente da morfina. Mas, mesmo não ativando os receptores de opioides, o efeito analgésico dos dois fármacos é praticamente o mesmo.

A grande expectativa da equipe é que as mambalginas possam se transformar em um medicamento sem os efeitos colaterais da morfina, que incluem dependência e problemas respiratórios.


Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Medicamentos Naturais

Cirurgias

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.