Violência é contagiosa entre adolescentes e jovens

Violência é contagiosa entre adolescentes e jovens
"Se pudermos parar a violência em uma pessoa, isso se espalha para a rede social. Nós estaremos de fato prevenindo a violência não só nessa pessoa, mas potencialmente para todas as pessoas com quem ela entra em contato."
[Imagem: Chris2d/Wikimedia]

Contágio da violência

Não é apenas a felicidade e as emoções positivas que são contagiosas.

A violência também se espalha como uma doença infecciosa, sobretudo entre adolescentes e pessoas jovens.

De fato, os adolescentes são 183% mais propensos a praticar determinados atos de violência se um de seus amigos já tiver cometido o mesmo ato.

Contágio social

E a propagação da violência não pára apenas nos amigos. Os resultados sugerem que o contágio estende-se por até quatro graus de separação - de uma pessoa para um amigo, para o amigo do amigo e dois amigos além.

A influência diminui com cada grau de separação, mas ainda é perceptível.

"Os atos de violência podem ricochetear através de uma comunidade, viajando através das redes de amigos," resumiram Robert Bond e Brad Bushman, da Universidade Estadual de Ohio (EUA).

Contágios sociais

Os resultados mostraram que os participantes apresentaram uma probabilidade 48% maior de entrar em uma briga séria, 183% mais de ferir seriamente outra pessoa, e 140% mais probabilidade de sacar uma arma - sempre se algum amigo já tivesse se engajado no mesmo comportamento.

Estes resultados se encaixam com os de outros estudos que mostram que características e comportamentos - da felicidade e da obesidade, ao tabagismo e à grosseria no trabalho - se espalham dentro das redes sociais, praticamente na mesma velocidade.

"Agora temos evidências que mostram como as relações sociais são importantes para espalhar o comportamento violento, assim como são para a propagação de muitos outros tipos de atitudes e comportamentos," disse Bushman.

Desligando a violência

Este resultado é particularmente importante porque mostra o valor dos programas contra a violência, em comunidades e nas escolas, por exemplo.

"Se pudermos parar a violência em uma pessoa, isso se espalha para a rede social. Nós estaremos de fato prevenindo a violência não só nessa pessoa, mas potencialmente para todas as pessoas com quem ela entra em contato," concluiu Bond.


Ver mais notícias sobre os temas:

Violência

Emoções

Relacionamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.