23/09/2009

Para o cérebro, nem todos os medos são iguais

Thiago Romero - Agência Fapesp
Para o cérebro, nem todos os medos são iguais
Estudo mostra que o processamento neural de tipos distintos de medos percorre caminhos diferentes no cérebro.[Imagem: NIH]

Medos instintivos e medos culturais

Um grupo de pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP) mostrou que, diferentemente do que se pensava até então, o processamento neural de tipos distintos de medo percorre caminhos diferentes no cérebro.

O estudo teve como base a indução, em animais de laboratório, de estímulos de "medos instintivos", que se caracterizam como um mecanismo de sobrevivência, e de "medos aprendidos", que são culturais e adquiridos ao longo da vida.

Os pesquisadores partiram ainda do princípio de que a maioria dos estudos atuais sugere que todos os tipos de medo têm o mesmo processamento neural dos "medos aprendidos" e são percebidos apenas na amígdala cerebral - lóbulo arredondado na superfície anterior do cerebelo.

Cada medo no seu lugar

Ao causar nos animais estímulos de medos aprendidos e instintivos, o estudo verificou, no entanto, que o hipotálamo tem um papel complementar às amígdalas no que diz respeito ao processamento dos estímulos relacionados à sensação de perigo durante os "medos instintivos".

"Descobrimos que o hipotálamo tem um papel fundamental no processamento final dos sinais relacionais ao perigo, que ocorre, portanto, em uma etapa posterior à das amígdalas", disse o coordenador do estudo, o professor Newton Canteras.

"Anteriormente se pensava que os estímulos de medo eram apenas processados nas amígdalas para, em seguida, serem enviados diretamente à matéria cinzenta periaquedutal, onde ocorreria algum tipo de reação. Verificamos que o processamento ocorre primeiramente na amígdala, mas, antes de serem enviados ao tronco encefálico, os estímulos são processados pelo hipotálamo. A amígdala sozinha não é suficiente", complementou.

Medo instintivo

Os pesquisadores fizeram testes para verificar quais regiões do cérebro dos ratos foram ativadas em situações de medo instintivo, após exemplares franzinos serem colocados em gaiolas com oponentes mais fortes da mesma espécie.

Após examinarem o cérebro dos animais, eles identificaram que uma região específica do hipotálamo foi ativada - o núcleo pré-mamilar dorsal - tendo papel fundamental na transmissão dos sinais de perigo iminente. "Essa função específica do hipotálamo foi identificada pela primeira vez pelo nosso grupo de estudo", afirmou Canteras.

Eliminando o medo

Em seguida, foram provocadas lesões para desativar essa mesma área do cérebro dos ratos, que mesmo depois de se sentirem ameaçados pelos animais mais fortes não apresentaram reações de medo.

"Em frente a uma sensação de perigo iminente, o animal normalmente fica imóvel para se proteger. Nesse caso, com a lesão cerebral, os ratos perderam o medo e exploraram normalmente o ambiente em que estavam inseridos, perdendo o componente que chamamos de defesa passiva", explicou.

Aplicações em humanos

Canteras estima que essa linha de pesquisa, após a realização de estudos comparativos com cérebros de seres humanos, pode levar a resultados com aplicações em humanos. "Uma aplicação direta que esse tipo de estudo pode gerar, ainda que a longo prazo, é o melhor entendimento das causas do estresse pós-traumático, por exemplo", apontou.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.