22/02/2011

Mulheres perdoam mais do que os homens

Redação do Diário da Saúde

Capacidade de perdoar

Um estudo realizado pela Universidade do País Basco, na Espanha, comparou as diferenças emocionais relacionadas ao perdão em relação à idade e ao sexo.

O estudo mostra que os pais acham mais fácil perdoar do que os seus filhos, e que as mulheres são melhores em perdoar do que os homens.

Os cientistas usaram duas escalas para estudar o perdão: uma escala para avaliar a capacidade de perdoar, chamada CAPER, e uma escala de perdão e de fatores facilitadores, chamada ESPER.

"Um fator decisivo na capacidade de perdoar é a empatia, e as mulheres têm uma maior capacidade de empatia do que os homens," comenta Carmen Maganto, participante do estudo - veja Testosterona demais reduz sua empatia.

Por que perdoar?

As crianças acreditam que "se perdoa com o tempo", enquanto os pais apontam razões como "remorso" e "justiça" para perdoar.

Os autores afirmam que os pais que mais perdoaram os filhos ao longo de suas vidas têm uma maior capacidade de perdoar "em todas as áreas".

Pais e filhos usam definições similares de perdão: não guardar rancor, reconciliação, compreensão e empatia são os termos mais usados pelos dois grupos para definir o perdão.

No entanto, existem grandes diferenças entre homens e mulheres.

Ambos vêem "não guardar rancor" como a melhor definição de perdão, mas os homens dão mais importância a esta característica.

Ensino de valores

O estudo destaca duas condições fundamentais para que o perdão seja alcançado. A primeira é, para quem ofendeu, "mostrar remorso". A segunda é, para a pessoa que foi ofendida, "não guardar rancor".

"Este estudo tem grande aplicação para o ensino de valores, porque nos mostra os motivos para perdoar," afirma Maite Garaigordobil, coautora do estudo.

"Estes resultados são particularmente interessantes em situações onde as famílias estão em crise e não se pode contar com uma educação básica em termos de valores. Esta formação é em grande parte transferida para a escola," explicam os pesquisadores.

A pesquisa "abre muitas novas perguntas", segundo os pesquisadores, que acreditam que "é necessário estudar o papel que o perdão desempenha nos tratamentos psicológicos, especialmente entre as vítimas de abuso sexual, maus-tratos físicos e psicológicos, na infidelidade conjugal, bem como em outras situações."

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.