Nasce esperança de controle da enxaqueca

Nasce esperança de controle da enxaqueca
Imagens ópticas da onda de despolarização disseminada no cérebro (esquerda), o controle da onda com corrente negativa (centro) e o confinamento da onda (direita).
[Imagem: Steven Schiff/Penn State]

Depressão alastrante

Quando algumas pessoas veem linhas onduladas, flashes de luz e os pontos cegos de uma aura, elas já sabem que uma enxaqueca se aproxima.

E quando os pesquisadores olham para a imagem cerebral de uma aura, eles tentam descobrir quais são suas causas e se há uma maneira de impedir que a enxaqueca se inicie.

Agora, uma equipe internacional identificou a atividade elétrica específica para o início da enxaqueca e demonstrou uma maneira de interrompê-la em experimentos com animais.

"Descobrimos que a despolarização disseminada, também chamada de depressão alastrante, observada nas enxaquecas, é um fenômeno biofísico fundamental e que você pode detê-lo com corrente elétrica. Estranhamente, é a direção oposta da corrente elétrica usada para desativar as convulsões," explicou o Dr. Steven Schiff, da Universidade do Estado da Pensilvânia (EUA).

Impedir as enxaquecas

Depois de modelar computacionalmente a biofísica da disseminação da despolarização, os pesquisadores desenvolveram uma técnica que permite a modulação, a supressão e a prevenção da despolarização disseminada no cérebro de animais de laboratório.

A aplicação de uma polarização como essa pode ser feita com segurança no cérebro humano, e essa estratégia poderá ser testada em ensaios clínicos com pessoas em um futuro próximo. No entanto, a enxaqueca completa experimentada pelos pacientes torna-se mais complicada após a aura inicial.

Assim, a equipe não curou as enxaquecas, mas está mais próxima de entender o mecanismo no cérebro que causa o início, ou auras, dessas dores de cabeça incapacitantes.

"O que se quer é ser capaz de consertar o cérebro para que ele não seja suscetível a enxaquecas ou convulsões," disse o pesquisador Bruce Gluckman. "e não ter que controlar a enxaqueca ou o espalhamento da depressão [alastrante] uma vez que ela começa. Por enquanto, esse é um resultado fundamental que nos aproxima de sermos capazes de intervir de maneira importante para essa condição."


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Cérebro

Dores Crônicas

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.