Rosa mosqueta: Descoberto neurônio só existente em humanos

Rosa mosqueta: Descoberto neurônio só existente em humanos
Este é o recém-descoberto neurônio rosa mosqueta.
[Imagem: Universidade De Szeged/Tamas Lab]

Neurônio rosa mosqueta

Cientistas descobriram um novo tipo de neurônio só encontrado até agora em humanos.

A expectativa é que essa célula neural tipicamente humana ajude a responder por que muitos tratamentos experimentais para doenças do cérebro têm funcionado em camundongos, mas falham quando começam a ser testados em pessoas.

O neurônio foi batizado de "neurônio rosa mosqueta" por sua aparência com a flor da planta silvestre cujo formato lembra uma rosa que perdeu as pétalas. A rosa mosqueta é uma planta medicinal muito utilizada tratamentos para a pele e em cosméticos.

O neurônio rosa mosqueta foi encontrado na camada 1 do cérebro, também chamada de neocórtex, a mais externa e responsável pela consciência, uma característica essencial e considerada exclusivamente humana. Danos ao neocórtex podem afetar seriamente as habilidades cognitivas de um ser humano, ou seja, as capacidades de aprender e assimilar informações, por exemplo.

A descoberta, publicada na revista Nature Neuroscience, envolveu um grupo internacional de 34 cientistas da Universidade de Szeged (Hungria) e do Instituto Allen para a Ciência Cerebral (EUA).

Conexão dos neurônios

Os cientistas ainda não sabem, porém, qual é a função específica do neurônio rosa mosqueta. O que se sabe é que ele faz parte de um subtipo de neurônios chamados inibidores, aqueles que impedem a ação de outras células cerebrais.

Sua morfologia é intrigante, já que parece que sua conexão com seu "parceiro celular" é feita apenas por meio de uma parte muito específica de sua massa. "Isso pode significar que eles controlam o fluxo de informações de uma maneira muito específica," disse o neurologista Gábar Tamás.

"Ele é especial por sua forma, por suas conexões e também por causa dos genes que contém," acrescentou Trygve Bakken, coautora da pesquisa.

Humanos e camundongos

Segundo a equipe, o fato de essas células nervosas não terem sido encontradas, entre outros, nos animais mais usados pelos cientistas - os camundongos - poderia explicar por que muitos dos experimentos realizados em humanos não tiveram os mesmos resultados atingidos com os roedores.

"Se quisermos entender como o cérebro humano funciona, precisamos estudar os seres humanos ou espécies que estejam estreitamente relacionadas," disse Bakken.

Os próximos passos do estudo serão explorar o córtex externo de primatas e, em seguida, de pessoas que sofrem de distúrbios neuropsiquiátricos, para comprovar se os neurônios rosa mosqueta desses pacientes apresentam alterações.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Cérebro

Cobaias

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.