23/09/2021

Termo esquizofrênico deve ser banido da prática clínica, propõem pesquisadores

Redação do Diário da Saúde
Termo esquizofrênico deve ser banido da prática clínica, propõem pesquisadores
Embora seja difícil prevenir a esquizofrenia, os relatos de sonhos ajudam a diagnosticar a condição.
[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Banimento do termo esquizofrênico

Pesquisadores descobriram que os profissionais de saúde - médicos, psiquiatras, psicólogos e aconselhadores - têm um viés negativo em relação ao termo "esquizofrênico" para descrever uma pessoa diagnosticada com esquizofrenia.

Os profissionais de saúde mental e conselheiros, formados ou em treinamento, participaram de uma pesquisa na qual receberam versões que usavam os termos "esquizofrênico" ou "pessoa com esquizofrenia".

Os participantes que receberam a versão contendo o termo esquizofrênico "apresentaram atitudes mais autoritárias, mais restritivas socialmente e menos benevolentes" do que aqueles que receberam a versão contendo o termo pessoa com esquizofrenia.

A conclusão dos pesquisadores é que os resultados do estudo fornecem uma evidência empírica convincente para justificar a eliminação do termo esquizofrênico da prática clínica.

"A linguagem importa. As palavras que usamos podem reduzir o estigma e melhorar a qualidade do atendimento que nossos clientes recebem, ou nossas palavras podem tornar os conselheiros menos propensos a tratar seus clientes com dignidade humana básica e respeito.

"A mensagem a se levar para casa é clara - todas as pessoas, até mesmo profissionais de saúde mental, são afetadas pelas palavras e rótulos que usamos. Agora temos evidências empíricas de que reservar um tempo para pronunciar mais algumas sílabas e incluir a palavra 'pessoa' tem potencial real para fazer a diferença na vida de nossos clientes," disse Darcy Granello, da Universidade Estadual de Ohio (EUA).

Esquizofrenia

De acordo com o manual de diagnósticos mentais da Associação Psiquiátrica Americana (DSM), o diagnóstico da esquizofrenia exige a identificação de pelo menos dois de uma série de sintomas possíveis, incluindo psicose (perda do contato com a realidade), alucinações (percepções falsas), delírios (crenças falsas), discurso e comportamento desorganizados, embotamento afetivo (variação emocional restrita), défices cognitivos (comprometimento do raciocínio e da solução de problemas) e disfunção ocupacional e social.

Não se conhece a causa da doença, que comumente se manifesta na adolescência ou na juventude. Os pacientes apresentam alterações em várias estruturas cerebrais e alterações em neurotransmissores, como dopamina e glutamato, embora não se saiba se essas alterações são causas ou consequências da condição.

Recentemente, outra equipe denunciou um excesso de diagnósticos de esquizofrenia.

Checagem com artigo científico:

Artigo: It's Time for Counselors to Modify Our Language: It Matters When We Call Our Clients Schizophrenics Versus People With Schizophrenia
Autores: Darcy Haag Granello, Sean R. Gorby
Publicação: Journal of Counseling & Development
DOI: 10.1002/jcad.1239
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Preconceitos

Comportamento

Diagnósticos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.