06/01/2021

Nova variante mais contagiosa do coronavírus tem arpão mais forte

Com informações da Agência Fapesp
Nova variante mais contagiosa do coronavírus tem arpão mais forte
A proteína espícula da nova linhagem viral interage melhor com o receptor celular humano com o qual o SARS-CoV-2 se liga para viabilizar a infecção.[Imagem: Jadson Santos/USP]

Arpão mais forte

Dois pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) em Ribeirão Preto acreditam ter descoberto a causa da maior capacidade infecciosa da nova variante do coronavírus SARS-CoV-2, a B.1.1.7, identificada originalmente do Reino Unido e com dois casos confirmados no Brasil pelo Instituto Adolf Lutz.

Jadson Santos e Geraldo Passos constataram que a proteína espícula da nova cepa viral, uma espécie de arpão que os vírus usam para se enganchar nas células, alcança maior força de interação molecular com o receptor ACE2, presente na superfície das células humanas e com o qual o SARS-CoV-2 se liga para viabilizar a infecção.

O aumento na força de interação molecular da nova linhagem é causado por uma mutação já identificada no resíduo de aminoácido 501 da proteína espícula, chamada de N501Y, que deu origem à nova variante do vírus.

"Vimos que a interação entre a proteína spike [espícula] da nova cepa do coronavírus com a mutação N501Y é muito maior do que a apresentada pela primeira linhagem do vírus isolado em Wuhan, na China," reforçou o professor Geraldo.

Apesar de o trabalho ainda não ter sido revisado por outros cientistas, o que é necessário para sua publicação, a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), financiadora do estudo, decidiu divulgar os resultados antecipadamente.

Evolução surpreendente

Segundo os pesquisadores, a rápida propagação do SARS-CoV-2 entre os humanos está impulsionando sua evolução molecular.

Até agora, o vírus causador da covid-19 acumulou mutações a uma taxa de até dois nucleotídeos por mês, e isolados recentes apresentam pelo menos 20 alterações de nucleotídeos em seus genomas em comparação com a linhagem selvagem, isolada em janeiro de 2020. A maior parte das mutações está localizada na proteína espícula.

A linhagem B.1.1.7., detectada no início de setembro e descrita em dezembro de 2020 pelo Consórcio Genômico COVID-19 do Reino Unido, e já registrada em outros 17 países, incluindo o Brasil, representa um exemplo, entre vários outros, da rápida evolução molecular do novo coronavírus. Contudo, surpreendeu os cientistas por acumular 17 mutações, das quais oito estão localizadas no gene que codifica a proteína espícula na superfície do vírus.

Como a descrição dessa nova variante é recente, ainda não dá para avaliar com maior detalhe o fenótipo, ou seja, se ela é mais ou menos patogênica, explica o pesquisador.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.