25/03/2020

Anestesia geral é cancelada aplicando eletricidade no cérebro

Redação do Diário da Saúde
Anestesia geral é
A ciência ainda não tem explicações definitivas sobre como a anestesia nos faz perder a consciência. Mas já se sabe que o eletroencefalograma não é confiável para determinar consciência.[Imagem: Cortesia Lee Lab/Stanford University]

Acordando e anestesiando de volta

Macacos submetidos a uma anestesia geral com as mesmas drogas comumente administrados a pacientes cirúrgicos humanos - propofol e isoflurano - foram "revividos" e voltaram ao estado de alerta com a aplicação de uma baixa corrente diretamente nos seus cérebros.

A eletricidade de pequena intensidade é disparada em um ponto específico do cérebro e precisa ser aplicada durante apenas dois ou três segundos para surtir o efeito. O estímulo de vários locais ao mesmo tempo, muitíssimo próximos entre si, e a aplicação de pulsos elétricos 50 vezes por segundo funcionam como um interruptor para fazer o cérebro entrar ou sair da anestesia.

"Um milímetro fora de posição e você reduz drasticamente o efeito. E se você estiver nesse local ideal, mas estimulando a dois Hertz em vez de 50? Nada acontece. Isso é muito específico para localização e frequência," contou Michelle Redinbaugh, da Universidade de Wisconsin (EUA).

"Enquanto você continuar estimulando o cérebro, o comportamento - abertura total dos olhos, tentar alcançar objetos nas proximidades, alterações de sinais vitais, movimentos corporais e faciais - e a atividade cerebral é a de um estado de vigília. Então, alguns segundos depois de desligar a estimulação, seus olhos se fecham novamente. O animal está de volta ao estado inconsciente," acrescentou o professor Yuri Saalmann.

E por que você iria querer acordar alguém sob anestesia geral?

Segundo a equipe, a descoberta desse circuito de atividade cerebral fundamental para a consciência abre o caminho para tratamentos para distúrbios cerebrais debilitantes ou para pacientes em coma.

Atividade cerebral anormal

A estimulação elétrica aplicada no cérebro tem sido usada em diversos tratamentos experimentais em humanos, com sucessos promissores. Ao mesmo tempo, camundongos já haviam sido despertados de uma anestesia leve com um método similar.

Mas este é o primeiro experimento a retirar e colocar de volta primatas em um estado de inconsciência profunda, e os resultados isolam um circuito específico de atividade no cérebro que é crucial para a consciência. A descoberta da frequência correta também é importante para o prosseguimento de pesquisas na área.

Fornecer estimulação elétrica com tanta precisão dá aos pesquisadores esperanças de que sua abordagem possa ser usada para ajudar pacientes a lidar com muitos tipos de atividade cerebral anormal.

"Esse tipo de intervenção poderia realmente ser melhorado por uma abordagem personalizada," diz Redinbaugh. "Imitar especificamente a atividade desse núcleo pode ser uma maneira muito mais eficaz de ajudar pacientes em coma ou pessoas com negligência espacial. Acreditamos que isso possa afetar amplamente os distúrbios da consciência."

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.