18/11/2020

Biópsia de câncer feita em 3D vai revolucionar patologia

Redação do Diário da Saúde
Biópsia de câncer feita em 3D vai revolucionar patologia
Tecido sendo analisado ao ultramicroscópio, iluminado por uma folha de luz.[Imagem: TU Wien]

Ultramicroscópio

Uma nova técnica promete nada menos do que iniciar uma revolução na patologia: Tecidos tumorais enviados para biópsias podem se tornar transparentes e visualizados integralmente com um ultramicroscópio especial.

Isso permite analisar todo o tecido retirado em 3D, sem a necessidade de fatiar o tumor. Dessa forma, a confiabilidade do diagnóstico pode ser significativamente aumentada.

Com a nova técnica, a confiabilidade do diagnóstico pode ser significativamente aumentada e o exame é muito mais rápido, podendo eventualmente ser feito enquanto o paciente ainda está na mesa de cirurgia.

"No microscópio, você pode ver se o tumor removido está circundado por uma fatia de tecido saudável," explica o professor Hans Ulrich Dodt, da Universidade Médica de Viena (Áustria). "Se este for o caso, o paciente frequentemente só precisa se recuperar. Se não for o caso, pode ser necessário realizar uma cirurgia de acompanhamento ou radioterapia adicional. Especialmente após operações de câncer de mama, isso acontece com frequência."

Biópsia em 3D

Após uma cirurgia de câncer, a questão crucial é: Foram deixadas células cancerosas para trás, que possam fazer o câncer voltar a crescer, ou o tumor inteiro foi realmente removido?

Para responder à pergunta, o tumor é examinado por patologistas, que fatiam a amostra de tecido em lâminas muito finas, que são então analisadas ao microscópio.

O problema é que nunca é possível examinar o tumor inteiro dessa forma. "Normalmente, uma seção de aproximadamente 4 micrômetros de espessura é feita a cada 5 milímetros. Isso significa que apenas cerca de um milésimo de todo o volume do tumor é realmente examinado," explica o Dr. Dodt. Em áreas críticas, pode-se fazer um espaçamento mais fino, mas é impossível estudar todo o tecido dessa forma.

Agora, com a ajuda de uma técnica especial chamada ultramicroscopia, tornou-se possível tornar todo o tumor visível em três dimensões. Para isso, a pesquisadora Inna Sabdyusheva desenvolveu um processo químico para "limpar" as amostras de câncer de mama - elas se tornam transparentes, mas a estrutura permanece inalterada e as células cancerosas ainda podem ser reconhecidas.

Biópsia de câncer feita em 3D vai revolucionar patologia
O tecido da biópsia é examinado inteiro em 3D, sem precisar ser fatiado.
[Imagem: TU Wien]

Tecido transparente

A amostra transparente é então examinada sob um ultramicroscópio. Uma "folha de luz" - uma fina camada de feixes de laser - penetra no tecido, permitindo analisar a amostra camada por camada na tela do computador - sem que o tumor precise ser cortado. Dessa forma, são obtidas informações que antes eram impossíveis: Em algumas amostras de tecido, por exemplo, os dutos de leite entupidos com células cancerosas podem ser vistos.

"Estamos convencidos de que esse método revolucionará a patologia," reforçou Dodt. "Uma maior confiabilidade nos exames pode ser alcançada em menos tempo. Além disso, o novo método 3D também deve fornecer percepções completamente novas sobre o desenvolvimento do câncer no futuro. Já que agora é possível, pela primeira vez, mostrar a propagação das células de câncer em espécimes cirúrgicos humanos em três dimensões, a compreensão da biologia do tumor também deve passar por um progresso significativo."

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.