25/02/2021

Duas variantes do coronavírus se fundiram - Aqui está o que você precisa saber

Com informações da New Scientist
Duas variantes do coronavírus se fundiram - Aqui está o que você precisa saber
A Dra. Bette Korber descobriu o vírus recombinante em um banco de dados nos EUA.[Imagem: LANL]

SARS-CoV-2 híbrido

Duas variantes do coronavírus SARS-CoV-2, identificadas pela primeira vez no Reino Unido e na Califórnia, parecem ter-se combinado em um híbrido altamente mutado.

Isso pode sinalizar uma nova fase da pandemia de covid-19, à medida que mais variantes híbridas podem surgir.

Até o momento, uma única sequência do genoma desse coronavírus alterado foi depositada em um banco de dados dos Estados Unidos, de forma que não é possível prever seu espalhamento.

A sequência tem sinais reveladores de ser um vírus híbrido criado por um evento de recombinação entre duas linhagens diferentes de SARS-CoV-2.

O que é um evento de recombinação?

Coronavírus como o SARS-CoV-2 têm uma superpotência evolutiva chamada "recombinação", que permite que dois vírus intimamente relacionados se misturem e combinem seus genomas. Ao contrário da mutação comum, que ocorre lentamente, uma mudança de cada vez, a recombinação pode produzir mudanças generalizadas no genoma de um coronavírus em um único golpe.

O híbrido foi detectado entre os vírus reais que circulam nas pessoas?

Não, embora a sequência seja de um vírus retirado de uma pessoa infectada, então é uma hipótese plausível que o vírus recombinante esteja na comunidade. No entanto, pode já ter desaparecido depois de não ser transmitido a outras pessoas. Os EUA têm taxas relativamente baixas de sequenciamento viral.

Existe outra possibilidade: O evento de recombinação pode ter ocorrido dentro da amostra depois que ela foi retirada da pessoa infectada, e não enquanto ela estava dentro do seu corpo. Nesse caso, é um artefato acidental de laboratório, não um vírus selvagem.

Ele poderia vazar de alguma forma do laboratório?

Isso seria muito improvável. A própria amostra e, portanto, o vírus, quase certamente já foram destruídos, de acordo com os procedimentos de segurança usuais. Nesse caso, tudo o que resta é uma sequência de letras em um banco de dados.

Sabemos onde e quando a amostra foi colhida?

Não, mas o sul da Califórnia no último mês ou pouco mais é um bom palpite. Ele foi descoberto durante uma investigação de um aumento recente de casos covid-19 em Los Angeles, aparentemente causado por uma nova variante do SARS-CoV-2 chamada B.1.429.

Como ficamos sabendo sobre ele?

Ele foi relatado em 2 de fevereiro em uma conferência científica virtual organizada pela Academia de Ciências de Nova York. Em uma apresentação sobre o surto em Los Angeles, Bette Korber, do Laboratório Nacional de Los Alamos, afirmou: "Encontramos pelo menos um único recombinante."

Ela acrescentou mais detalhes. Por exemplo, ela mostrou uma representação gráfica do genoma viral mostrando claramente que se trata de um mosaico de sequências de duas linhagens diferentes, o que é difícil de explicar de outra forma que não seja uma recombinação.

Nós sabemos quais linhagens se recombinaram?

Sim. O híbrido é uma mistura da variante B.1.1.7, detectada pela primeira vez em Kent, Reino Unido, no final do ano passado, e da menos conhecida B.1.429, que parece ter-se originado no sul da Califórnia. Ambos são conhecidos por estarem circulando na área de Los Angeles.

Ambas as variantes carregam mutações em suas proteínas de pico que parecem conferir uma vantagem. A B.1.1.7 tem uma proteína chamada Δ69/70, que torna o vírus mais transmissível. A B.1.429 tem uma diferente, chamada L452R, que pode conferir resistência a anticorpos. Talvez mais preocupante, o vírus híbrido carrega as duas.

Precisamos ficar preocupados?

Por ora, não muito. Não há evidências de que o recombinante esteja sendo transmitido de pessoa para pessoa, embora a Dra. Korber tenha dito que isso não poderia ser descartado e que seria necessário observar a "expansão" - o que significa que o recombinante poderia aparecer na população e então aumentar em frequência, sugerindo que está superando os vírus existentes.

Mas, olhando para o futuro, precisamos adicionar esse tipo de evento à nossa lista de preocupações. À medida que mais variantes geneticamente distintas de SARS-CoV-2 surgem e começam a circular nas mesmas áreas geográficas, aumentam as chances de recombinantes desagradáveis.

Isso foi uma surpresa?

Na verdade não. Mesmo antes do surgimento do SARS-CoV-2, a recombinação foi reconhecida como um importante agente de mudança evolutiva nos coronavírus. É possível que uma recombinação tenha levado ao surgimento do próprio SARS-CoV-2.

Duas análises publicadas em dezembro e janeiro relataram independentemente que essas recombinações ainda não haviam sido detectadas, embora possa ser porque até então todos os vírus circulantes eram tão geneticamente semelhantes que era impossível detectar eventos de recombinação em andamento a partir do ruído de fundo da mutação normal.

No entanto, variantes que emergiram recentemente, incluindo a B.1.1.7 e a B.1.429, podem ser geneticamente distintas o suficiente para que a recombinação deixe um traço detectável no genoma.

Como dois vírus diferentes podem se encontrar para se recombinar?

Em uma palavra, coinfecção. Em lugares como a Califórnia, onde duas variantes distintas estão em circulação, pessoas podem ser infectadas por ambas ao mesmo tempo. Se as células hospedeiras individuais acabarem abrigando as duas variantes, o cenário está pronto para a recombinação.

O vírus da gripe também se recombina para criar novas cepas virais potencialmente mortais. É o mesmo processo?

Não exatamente. O genoma do vírus da influenza é transportado em oito pedaços separados de RNA, mas em um único pedaço de RNA em um coronavírus. Se um humano ou animal for coinfectado com duas cepas diferentes de gripe, os pedaços de RNA podem ser reorganizados em novas combinações que podem se tornar uma nova cepa pandêmica.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.