05/06/2020

Para sermos felizes, precisamos de tempo suficiente

Redação do Diário da Saúde
Para sermos felizes, precisamos de tempo suficiente
Como a filósofa Hilde Vinje, pesquisadores têm tentado criar uma receita científica de felicidade.[Imagem: Feroz Mehmood Shah]

Questão de tempo

Eu sou feliz? O que preciso fazer para alcançar o sucesso que almejo?

Essas são perguntas que as pessoas modernas estão fazendo a si mesmas e a seus terapeutas, mas não não nenhuma novidade. Há 2.400 anos, Aristóteles ponderava sobre essas mesmas coisas.

"Para Aristóteles, a felicidade leva muito tempo para ser alcançada," explica a filósofa Hilde Vinje, da Universidade de Oslo (Noruega). Segundo Aristóteles, precisamos de mais do que um bom dia para dizermos que vivemos uma vida feliz.

"Quando falamos sobre felicidade hoje, estamos falando de um sentimento que vem e vai. Muitas vezes pensamos que definir a felicidade depende do indivíduo. Temos dias bons e dias ruins, e a felicidade parece ser transitória. O entendimento de Aristóteles sobre a felicidade se contrapõe a esse pensamento, mas ainda assim ressoa conosco hoje," diz ela.

Também foi Aristóteles quem tornou famosa a expressão "Uma andorinha sozinha não faz o verão". Este é o começo de um famoso trecho do filósofo grego. A frase seguinte não é tão conhecida e tem a seguinte redação: "... nem um dia; nem, da mesma forma, um dia ou pouco tempo nos faz abençoados e felizes".

"Parece que temos que viver muito tempo para nos tornarmos felizes. Mas quanto tempo? Se um dia não é suficiente, então quantos dias precisamos?" pergunta-se a filósofa.

A felicidade acontece na vida

Vinje tem tentado desvendar a felicidade estudando dois livros de Aristóteles em profundidade: a Ética a Nicômano, que é a mais conhecida, e a Ética Eudemiana. Ela ressalta que, nessas obras, a definição de felicidade do filósofo se baseia em dois conceitos principais: virtude e uma vida plena.

Para sermos felizes, precisamos de tempo suficiente
A nossa atual sociedade de consumo banaliza o conceito de felicidade conforme ele foi estudado pelos antigos filósofos gregos.
[Imagem: Wikimedia Commons]

"A virtude, ou aretê ["adaptação perfeita, excelência, virtude" em grego antigo], como costuma ser chamada no campo da filosofia, tem a ver com a pessoa viver todo o seu potencial. A virtude é caracterizada por traços de personalidade moralmente bons, como moderação, sabedoria e coragem," detalha ela.

Embora a virtude tenha sido objeto de ampla discussão, as ideias de Aristóteles sobre viver uma vida completa não foram igualmente tão bem examinadas pelos filósofos. Por isso, Vinje estabeleceu a compreensão do conceito de felicidade de Aristóteles como referência para descobrir essa "duração da vida" que nos permite dizer que atingimos a felicidade.

Vida abençoada

Vinje chegou a duas respostas possíveis: "Algumas pessoas pensam que uma vida que é completa e totalmente feliz é uma vida que acabou. Deve ser como uma história com um final feliz".

Ela encontrou essa explicação em vários textos, mas argumenta que Aristóteles pensava que a vida se torna feliz dentro da duração da vida, e não ao seu final. Ela então aponta uma segunda resposta: "Eu sugeriria que a vida se torna completa quando temos uma série de recursos, como amigos, família, um mínimo de respeito e uma boa sociedade - e que conseguimos usar bem [esses recursos]".

Se entendermos dessa maneira, podemos alcançar a felicidade durante o curso de nossas vidas - e ter consciência de estarmos levando uma vida feliz, o que não significa que não tenhamos percalços momentâneos. Afinal, lidar bem com as dificuldades da vida faz parte da virtude.

"Nós não precisamos saber como uma vida termina para saber se ela foi feliz. Com base nesse entendimento, é possível que possamos perder a felicidade novamente, mas que, no entanto, podemos ser considerados como tendo vivido uma vida feliz. Por outro lado, se conseguirmos permanecer felizes até morrermos, seremos o que Aristóteles chamou de 'abençoados'," finalizou Vinje.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.