18/01/2018

Paracetamol na gravidez pode reduzir fertilidade das filhas

Redação do Diário da Saúde
Paracetamol na gravidez pode reduzir fertilidade das filhas
Já se sabia que o paracetamol na gravidez prejudica masculinidade dos filhos. Agora se mostrou que as filhas também são prejudicadas.[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Faz mal para filhos e filhas

Tomar paracetamol durante a gravidez pode comprometer a fertilidade futura das filhas, de acordo com uma revisão das pesquisas científicas já feitas sobre o assunto.

Curiosamente, outra pesquisa recente demonstrou que o paracetamol durante a gravidez pode inibir a masculinidade dos filhos.

O paracetamol, ou acetaminofeno, é um analgésico vendido sem receita médica e comumente usado por mulheres grávidas em todo o mundo.

A equipe do Dr. David Kristensen, do Hospital Universitário de Copenhague (Dinamarca), revisou os resultados de estudos científicos que avaliaram os efeitos do paracetamol tomado durante a gravidez no desenvolvimento do sistema reprodutivo também da prole feminina.

"Embora não seja um dano grave para a fertilidade, ainda é uma preocupação real, já que dados de três laboratórios diferentes descobriram de forma independente que o paracetamol pode prejudicar o desenvolvimento reprodutivo feminino dessa maneira, o que indica que uma investigação adicional é necessária para estabelecer como isso afeta a fertilidade humana," comentou o Dr. Kristensen.

Tratamentos sem prejuízos para os filhos

Todos os estudos revisados foram feitos em roedores porque estabelecer uma ligação entre o paracetamol tomado pelas mães humanas durante a gravidez e problemas de fertilidade muito mais tarde na vida adulta será difícil e exigirá acompanhamentos por décadas.

Por isso, o Dr. Kristensen recomenda que seja adotada uma abordagem interdisciplinar para lidar com esse problema, "combinando dados epidemiológicos de estudos humanos com mais pesquisas experimentais em modelos, como roedores, pode ser possível estabelecer este link e determinar como isso acontece, de forma que as mulheres grávidas com dores possam ser tratadas com sucesso, sem risco para seus filhos ainda não nascidos."

A revisão foi publicada na revista médica Endocrine Connections.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.