22/01/2020

Descoberta explica o perigo de determinados medicamentos biológicos

Redação do Diário da Saúde
Descoberta explica o perigo de determinados medicamentos biológicos
As células dendríticas têm sua própria forma de programa de memória, que depende de uma molécula de sinalização imune conhecida como TNF-alfa.[Imagem: Stephanie King]

Riscos dos medicamentos biológicos

Distúrbios autoimunes, como artrite reumatoide, psoríase e doença de Crohn, afligem dezenas de milhões de pessoas e são o resultado de o sistema imunológico, cujo papel é combater os patógenos causadores de doenças, voltar-se contra si mesmo.

A notícia não tão boa é que, apesar de vários medicamentos projetados para combater essas doenças já estarem disponíveis, essas drogas, uma classe de produtos biológicos chamados inibidores de TNF, trazem consigo o risco de infecções graves e até de câncer.

Já a notícia bem melhor é que pesquisadores podem ter descoberto o porquê desses efeitos colaterais tão danosos: Uma função anteriormente desconhecida de um tipo específico de célula imune, as chamadas células dendríticas.

As células dendríticas fazem parte da rede imune inata, a primeira linha de defesa do corpo contra uma ameaça. Elas ajudam outro tipo de célula imunológica, chamada célula T, que faz parte do sistema imunológico adaptativo, a aprender a responder adequadamente a um determinado germe ou agente causador de doença.

TNF-alfa

Agora os pesquisadores descobriram que as células dendríticas têm sua própria forma de memória e dependem de uma molécula de sinalização imune já conhecida, chamada TNF-alfa, que causa a inflamação tão dolorosamente familiar àqueles com artrite e outras doenças autoimunes.

"As células dendríticas são o principal orquestrador da resposta imune, dizendo às outras células do sistema imunológico o que fazer," explica o professor Michal Olszewski, da Universidade de Michigan (EUA). "Nossos estudos descobriram que o TNF-alfa faz parte do sistema que programa as células dendríticas para que elas saibam como programar as células T."

O TNF-alfa é especialmente importante para ajudar as células dendríticas a ensinar as células T a combater infecções, como certas infecções fúngicas e a tuberculose, que podem se esconder dentro das células do corpo.

É por isso que as pessoas que tomam esses medicamentos autoimunes estão particularmente em risco.

Além disso, a equipe descobriu que a programação das células dendríticas depende do rápido desenvolvimento de alterações epigenéticas, proporcionando estabilidade à programação das células dendríticas conferida às células T. Essa descoberta tem implicações importantes para o desenvolvimento de terapias direcionadas ao sistema imunológico.

"Isso será importante para o desenvolvimento de vacinas, para entender como o sistema imunológico responde a infecções crônicas e por que as pessoas que tomam anti-TNF para tratamento de doenças autoimunes são particularmente vulneráveis a esse tipo de doença," finalizou Olszewski.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.