05/11/2019

Surge esperança de tratamento do câncer de cérebro

Redação do Diário da Saúde
Pesquisadores neutralizam câncer do cérebro em cobaias
A nova descoberta fecha o cerco em torno deste tumor cerebral agressivo e está alinhada com a hipótese atual sobre o papel da autofagia na supressão dos primeiros estágios do desenvolvimento do tumor e como as alterações nesse processo contribuem para sua progressão.[Imagem: Rut Valdor et al. - 10.1073/pnas.1903542116]

Tratar o glioblastoma

Uma equipe de pesquisadores espanhóis conseguiu reverter a progressão de um glioblastoma em um modelo da doença desenvolvendo-se em camundongos.

Rut Valdor (Universidade de Múrcia) e Salvador Martínez (Universidade Miguel Hernández) mostraram como o glioblastoma - o câncer cerebral mais comum e de prognóstico sombrio - sequestra as células defensivas que circundam os vasos sanguíneos do cérebro para desativar sua ação antitumoral e obrigá-las a trabalhar para espalhar o tumor.

Mais importante, a equipe conseguiu reverter esse processo e impedir o desenvolvimento do tumor, abrindo as portas para novos métodos terapêuticos para lidar com essa doença agressiva.

Segundo os pesquisadores, o glioblastoma é o câncer cerebral mais comum e agressivo devido à sua capacidade aumentada de escapar do sistema imunológico e crescer. No entanto, a maneira detalhada pela qual ele consegue criar essa tolerância imunológica permanece desconhecida, o que explica a quase inexistência de tratamentos.

A descoberta agora relatada, de como o tumor consegue invadir tecidos saudáveis com quase nenhuma resistência, pode se revelar o calcanhar de Aquiles da doença, levando ao desenvolvimento de terapias que possam interromper a progressão desse câncer no cérebro.

Proteínas chaperonas

O glioblastoma altera o papel das células defensivas que circundam os vasos sanguíneos do cérebro, transformando-as em células inimigas do corpo, ao modificar um dos "serviços de limpeza" celulares: a autofagia guiada por chaperonas, ou acompanhantes, que são proteínas especializadas em ajudar outras proteínas a se dobrarem corretamente ou a se encaminharem para a destruição caso estejam defeituosas.

Por meio da autofagia, a célula se decompõe e destrói as proteínas danificadas ou anormais. As acompanhantes são proteínas que trabalham ativamente nessa tarefa. A alteração desse serviço de limpeza causada pelo câncer no cérebro altera a tarefa de defesa pró-inflamatória das células que circundam os vasos sanguíneos por uma imunossupressora, que favorece a sobrevivência do tumor.

Os resultados apontam para a autofagia guiada por acompanhantes como um alvo terapêutico promissor para tratar esse câncer cerebral agressivo que não tem cura até agora.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.