11/07/2022

Quer as crianças mais felizes e saudáveis? Então dê-lhes esportes, não telas

Redação do Diário da Saúde
Quer as crianças mais felizes e saudáveis? Então dê-lhes esportes, não telas
Já se sabe que os videogames mudam o cérebro para melhor e para pior, então é importante saber por quanto tempo é saudável ficar jogando.[Imagem: DavidRockDesign/Pixabay]

Atividades que não usem telas

O bem-estar das crianças aumenta quando elas participam de atividades extracurriculares, mas diminui quando elas passam tempo nas mídias sociais ou jogando videogame.

Seja a prática de esportes, aulas de música ou uma conversa casual com os amigos, quando as crianças estão envolvidas em atividades depois da escola, elas se mostraram mais propensas a se sentirem mais felizes e saudáveis do que seus colegas que voltaram direto da escola para uma tela.

O estudo analisou dados de 61.759 alunos, avaliando o número médio de dias por semana que as crianças participaram de atividades extracurriculares e avaliou cada uma em relação a fatores de bem-estar - felicidade, tristeza, preocupação, engajamento, perseverança, otimismo, regulação emocional e satisfação com a vida.

A maioria dos alunos assistia TV cerca de 4 dias da semana escolar e passava cerca de 3 dias da semana usando as mídias sociais.

"As telas são uma grande distração para crianças de todas as idades. A maioria dos pais atestará isso. E se as crianças estão jogando, assistindo TV ou nas mídias sociais, há algo em todas as telas que prejudica seu bem-estar.

"É interessante porque você pode pensar que é a falta de movimento físico que está causando isso, mas nossa pesquisa mostra que fazer lição de casa ou ler - ambas atividades sedentárias - contribuem positivamente para o bem-estar, então é outra coisa.

"Na verdade, descobrimos que o bem-estar das crianças foi maior quando elas participaram de atividades extracurriculares - mesmo que elas já relatassem estar felizes. O que isso mostra é que precisamos encontrar maneiras de incentivar crianças de todas as idades e origens a se envolverem em atividades que as mantenham longe da TV, computadores e dispositivos móveis," resumiu a professora Rosa Virgara, da Universidade do Sul da Austrália.

Mais tela, menos felicidade

Os resultados mostraram que os alunos que praticavam esportes com frequência eram 15% mais otimistas, 14% mais felizes e satisfeitos com sua vida e 10% mais propensos a regular suas emoções.

Por outro lado, as crianças que jogavam videogame e usavam as mídias sociais quase sempre apresentaram níveis mais baixos de bem-estar: Até 9% menos probabilidade de serem felizes, até 8% menos otimismo e 11% maior probabilidade de desistir no meio de suas atividades.

"Em suma, a mensagem é clara - jogar, assistir TV, jogar em computadores e navegar pelas mídias sociais não está ajudando a construir ou sustentar o bem-estar positivo nas crianças," concluiu Virgara.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2022 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.