23/10/2019

Substância ativada por luz destrói tumor e pode imunizar contra cânceres futuros

Redação do Diário da Saúde
Substância ativada mata tumor e pode imunizar contra cânceres futuros
A técnica promete uma nova ferramenta para os médicos usarem na luta contra o câncer, e potencialmente até vacinar pacientes contra futuros cânceres. [Imagem: Pixabay]

Terapia fotodinâmica

Uma equipe internacional de cientistas desenvolveu uma técnica que usa a luz para ativar um composto do elemento químico irídio que mata o câncer.

Embora os métodos atuais de tratamento dependam principalmente da presença de oxigênio, esse composto mata as células cancerígenas em cultura mesmo quando a concentração de oxigênio é baixa, uma condição conhecida como hipóxia.

A técnica promete uma nova ferramenta para os médicos usarem na luta contra o câncer, e potencialmente até vacinar pacientes contra futuros cânceres.

O eixo central da descoberta é a chamada terapia fotodinâmica (TFD), na qual a luz ativa um composto químico, chamado fotossensibilizador, que então cria elementos oxidantes que atacam as células cancerígenas. Usando esse método, os médicos podem direcionar a luz para regiões específicas do tumor e poupar o tecido normal.

"Há um interesse crescente em reduzir os efeitos colaterais do tratamento do câncer, tanto quanto possível, e qualquer coisa que possa ser seletiva quanto ao seu objetivo ajudará nisso," disse o professor Peter Sadler, da Universidade de Warwick (Reino Unido).

A técnica pode tratar qualquer tumor em que a luz possa ser administrada e seria particularmente adequada para tratar câncer de bexiga, pulmão, esôfago, cérebro e pele, segundo a equipe.

Resposta imunoterapêutica

Uma vez ativado pela luz, o composto de irídio ataca as máquinas produtoras de energia das células cancerígenas - uma coenzima vital chamada nicotinamida adenina dinucleotídeo (NADH) - e destrói cataliticamente essa coenzima ou a transforma em sua forma oxidada. As células cancerígenas têm uma exigência muito alta de NADH, porque precisam de muita energia para se dividir e se multiplicar rapidamente.

A equipe também observou que, à medida que as células cancerígenas morrem, elas mudam sua química de forma a gerar uma reação imune no organismo, o que é conhecido como resposta imunoterapêutica.

Isso sugere que pacientes tratados por essa técnica podem ser imunizados contra ataques do mesmo tipo de câncer - a chamada recidiva -, algo que a equipe pretende investigar mais em pesquisas futuras.

O próximo passo é desenvolver a técnica em modelos in vivo.

"O composto que desenvolvemos não seria muito tóxico, nós o aplicaríamos às células cancerígenas, daríamos um pouco de tempo para ele ser absorvido, depois o irradiaríamos com luz, ativando-o nessas células. A expectativa é que a morte dessas células cancerígenas ocorra muito rapidamente em comparação com os métodos atuais," acrescentou o professor Sadler.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.