27/01/2020

Substancialmente humano: Um bom ponto de partida para delimitar o que é humano?

Redação do Diário da Saúde
Não existe um "genoma humano" definido - cada genoma é único e sempre muda a cada geração. [Imagem: Science/AAAS]

Definição do que é ser humano

Desenvolvimentos recentes nas biociências, seguindo um ritmo muito rápido, estão obscurecendo continuamente a linha que a ciência usa para delimitar a fronteira entre os seres humanos e os outros organismos vivos.

A questão é muito prática porque gera questionamentos constantes sobre as definições legais do que é ou não é humano.

Graças às ferramentas genéticas, a biotecnologia, por exemplo, tem caminhado rapidamente para criar híbridos de animais e humanos - as quimeras de humanos e porcos e os macacos com seis genomas são apenas alguns dos exemplos mais recentes.

Para superar as incongruências aparentemente inevitáveis geradas por essas pesquisas, os professores Bartha Maria Knoppers (Universidade McGill - Canadá) e Henry Greely (Universidade Stanford - EUA) estão propondo o uso do termo "substancialmente humano" como um limite legal para descrever organismos vivos que tenham características humanas, mas não são inteiramente humanos.

Segundo eles, isso ajudaria tribunais, cientistas e médicos a serem flexíveis nas determinações legais das biotecnologias emergentes do futuro.

Substancialmente humano

Enquanto a lei e a ética veem os seres humanos vivos e suas partes constituintes (por exemplo, tecidos ou órgãos) como sendo especiais e diferentes, "os avanços biocientíficos estão discretamente mordiscando os limites legais clássicos que formam a base das estruturas normativas sobre as quais nossas sociedades são baseadas," escreveram Knoppers e Greely.

Tentativas de reclassificar as fronteiras legais do que são seres humanos, seres humanos vivos ou tecidos humanos são frequentemente ameaçadas pelo reducionismo. Por exemplo, alguns argumentam que o genoma humano define "seres humanos", mas, segundo os autores, não existe um "genoma humano" definido - cada genoma é único e sempre muda a cada geração.

Da mesma forma, xenotransplantes (transplantes de animais para humanos), quimeras humanas/não humanas, organoides e tecidos "mortos" revividos obscurecem qualquer proposta de uma fronteira clara entre a vida "humana" e um indivíduo legalmente reconhecido.

Assim, em vez de começar do zero e tentar redefinir conceitos legais fundamentais, os autores argumentam que as abordagens tradicionais devem continuar a ser aplicadas com flexibilidade e que ser "substancialmente humano" serve como um bom ponto de partida para determinar os direitos e obrigações legais de ser "humano".

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.