Acupuntura trata doenças inflamatórias fatais

Acupuntura trata doenças inflamatórias fatais
Além da sepse, a eletroacupuntura mostrou-se eficaz para o tratamento de artrite reumatoide, osteoartrite e doença de Crohn.
[Imagem: Rutgers University]

Quando a acupuntura começou a se tornar popular no ocidente, os médicos tradicionais se apressaram em se apresentar como céticos.

Ao longo do tempo, através de observações detalhadas, os cientistas coletaram evidências reais de que os antigos praticantes chineses das artes médicas estavam no caminho certo.

Hoje, os "praticantes da medicina ocidental" lutam por uma reserva de mercado, em que só eles possam usar a técnica.

Agora as coisas estão indo além, e já se começa a falar em procurar por medicamentos que possam imitar os efeitos da acupuntura.

Eletroacupuntura contra sepse

Uma nova pesquisa documentou uma capacidade extraordinária da acupuntura em uma área em que os médicos acreditavam ser área de atuação exclusiva dos medicamentos químicos.

A acupuntura se mostrou eficaz no tratamento da sepse, uma infecção generalizada que causa milhões de mortes no mundo todo.

A sepse é uma condição que geralmente se desenvolve em unidades de tratamentos intensivos (UTIs), partindo de infecções e inflamações - trata-se de uma resposta inflamatória sistêmica que ocorre devido a uma falha do sistema imunológico em controlar uma infecção local.

Já se sabia que a estimulação de um dos principais nervos do corpo, o nervo vago, desencadeia processos que reduzem a inflamação.

Como a acupuntura lida com terminações nervosas, o Dr. Luis Ulloa, da Universidade Rutgers (EUA), queria saber se um tipo especial de acupuntura, a eletroacupuntura, que aplica uma pequena corrente elétrica através das agulhas, teria potência suficiente para reduzir a inflamação e as lesões normalmente fatais da sepse.

Segundo o Dr. Ulloa, a corrente elétrica amplia o efeito de colocação da agulha, destacando que a eletroacupuntura já é aprovada pelas autoridades de saúde para o tratamento da dor em pacientes humanos.

Acupuntura trata doenças inflamatórias fatais
"Nós ainda não sabemos se, no futuro, a melhor solução para a sepse será a eletroacupuntura ou algum medicamento que imite a eletroacupuntura. O fundamental é que este estudo abriu as portas para os dois," disse o Dr. Ulloa.
[Imagem: Rob Forman/Rutgers Today]

Quando a eletroacupuntura foi aplicada em camundongos com sepse, o procedimento estimulou moléculas chamadas citocinas, que ajudam a limitar a inflamação.

O resultado foi surpreendente: metade das cobaias sobreviveu por pelo menos uma semana, enquanto a taxa de sobrevivência dos animais que não receberam acupuntura foi zero.

Mais do que isso, os resultados mostram benefícios potenciais não apenas para sepse, mas também para o tratamento de outras doenças inflamatórias, como artrite reumatoide, osteoartrite e doença de Crohn.

Medicamento para imitar acupuntura

Rastreando o método de atuação da eletroacupuntura, a equipe verificou que a ação das agulhas se dá por meio das glândulas adrenais.

Como muitos pacientes com sepse têm disfunções nas glândulas endócrinas, a equipe foi buscar um medicamento que pudesse reativá-las, de forma que o maior número possível de pacientes pudesse se beneficiar da acupuntura.

Eles encontraram um composto, o fenoldopam, que parece produzir benefícios nos pacientes nos quais problemas nas glândulas adrenais não permitem que eles tirem proveito da eletroacupuntura.

"Nós ainda não sabemos se, no futuro, a melhor solução para a sepse será a eletroacupuntura ou algum medicamento que imite a eletroacupuntura. O fundamental é que este estudo abriu as portas para os dois," disse o Dr. Ulloa.

O estudo foi publicado na revista Nature Medicine.


Ver mais notícias sobre os temas:

Acupuntura

Terapias Alternativas

Medicamentos Naturais

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.