Analgésicos opioides aumentam risco de depressão em mais de 50%

Os analgésicos opioides são muito bons para reduzir a dor, mas relatos de efeitos adversos, além do desenvolvimento da toxicodependência, continuam a emergir.

Agora, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Saint Louis (EUA) constatou uma ligação entre o uso crônico de medicações para alívio da dor e um aumento do risco de desenvolvimento de depressão grave.

Os opioides geralmente são receitados para dores de moderadas a agudas. Eles não eliminam totalmente a dor, sendo mais um medicamento de controle, aliviando o sofrimento dos pacientes.

O novo estudo analisou dados de registros médicos de cerca de 50 mil adultos que não tinham histórico de uso de opioides ou de depressão, e posteriormente receberam receitas desses medicamentos contra a dor.

Analgésicos e depressão

Os pacientes que tomaram opioides por 180 dias ou mais tiveram um risco 53% maior de desenvolvimento de um episódio de depressão.

Aqueles que utilizaram os opioides entre 90 e 180 dias tiveram um risco aumentado em 25% em comparação com os pacientes que nunca tomaram opioides ou só o fizeram por um período menor do que esse.

"Estes resultados sugerem que quanto mais tempo se está exposto aos analgésicos opioides, maior é o risco de desenvolver depressão," disse o Dr. Jeffrey Scherrer, coordenador do estudo.

"Os opioides são reconhecidos por aliviar a dor e o sofrimento, mas relatos de efeitos adversos são abundantes e continuam a surgir," completa.

O estudo também sugere que quanto maior a dose de analgésicos opioides, maior é o risco de depressão.

"Indícios preliminares sugerem que se você puder manter a sua dose diária baixa, você pode estar em menor risco de depressão," disse o médico.

Scherrer afirma que estudos recentes indicam que o uso de analgésicos opioides prescritos por receita médica quintuplicou nos últimos anos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Depressão

Drogas Lícitas

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.