Antidepressivos na gravidez podem gerar má-formação nas crianças

Grávidas com depressão leve ou moderada deveriam evitar tomar antidepressivos.

Essa é a nova orientação que será adotada pelo órgão que dá diretrizes aos médicos britânicos, que antes alertava para o risco de apenas um dos tipos desses medicamentos.

A mudança foi tomada após evidências mostrarem que Inibidores Seletivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) podem dobrar os riscos de que bebês nasçam com má-formações no coração.

"As evidências disponíveis sugerem que existe um risco associado aos ISRSs. Nos esforçamos bastante para dissuadir mulheres de fumar ou beber, mesmo pequenas quantidades de álcool, durante a gravidez, mas não estamos dizendo o mesmo em relação à medicação antidepressiva, que implica riscos similares - senão maiores," disse Stephen Pilling, do NICE (National Institute for Health and Care Excellence).

Risco em dobro

Segundo Pilling, o risco de que qualquer bebê nasça com uma anomalia no coração é dois em cada cem. Mas de acordo com as evidências - ele disse -, se a mãe toma ISRSs no início da gravidez, esse risco aumenta para quatro em cada cem.

Para o especialista, mulheres que não estão sofrendo de depressão séria e que estão tomando a droga no momento em que engravidam estão correndo riscos desnecessários: "O risco é duas vezes maior. E para mulheres com depressão leve ou moderada, não acho que valha a pena correr esse risco."

Pilling disse também que a orientação não é válida apenas para mulheres que já estão grávidas: "Acho que isso precisa ser considerado no caso de uma mulher que poderia engravidar - ou seja, a maioria das mulheres com idades entre 15 e 45 anos."


Ver mais notícias sobre os temas:

Gravidez

Depressão

Medicamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.