Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

24/06/2016

Arroz Dourado não vinga e não consegue cumprir promessas

Redação do Diário da Saúde
Arroz Dourado não vinga e não consegue cumprir promessas
O Arroz Dourado tem maior teor de vitamina A do que o arroz comum, mas seus benefícios à saúde não são tão grandes como se tem apregoado.[Imagem: International Rice Research Institute/Wikimedia Commons]

Arroz sem brilho

Anunciado na capa da revista Time em 2000 como uma cultura geneticamente modificada com potencial para salvar milhões de vidas no Terceiro Mundo, o Arroz Dourado ainda está a anos de distância de estar pronto para ser plantado em larga escala e, mesmo assim, pode oferecer bem menos benefícios à saúde do que aqueles frequentemente citados ainda hoje pelos defensores dos organismos geneticamente modificados (OGM).

"O Arroz Dourado ainda não está pronto para o mercado, mas nós encontramos pouco apoio para a reivindicação comum de que os ativistas ambientais são responsáveis por travar a sua introdução. Oponentes dos OGM não têm sido o problema," disse o Dr. Glenn Stone, professor da Universidade de Washington de St. Louis (EUA).

Concebido originalmente na década de 1980 e foco de pesquisas desde 1992, o Arroz Dourado tem sido um pára-raios na batalha sobre as culturas geneticamente modificadas, com disparos de ambos os lados.

Fracasso e brigas

Os defensores dos OGM há muito tempo vêm apregoando a inovação como uma maneira prática de fornecer aos agricultores pobres em áreas remotas uma cultura de subsistência capaz de agregar a muito necessária vitamina A às dietas locais. Por outro lado, eles afirmam também que grupos ambientalistas como o Greenpeace devem ser responsabilizados por retardar a introdução do Arroz Dourado e, assim, prolongar o sofrimento das pessoas pobres que sofrem de deficiências de vitamina A.

Contudo, o Dr. Glenn Stone e seu colega Dominic Glover, especialista em culturas de arroz na Universidade de Sussex, encontraram pouca evidência de que os ativistas anti-OGM sejam os culpados pelas promessas não cumpridas do Arroz Dourado.

"O arroz simplesmente não tem sido bem-sucedido nos testes dos institutos de melhoramento de arroz nas Filipinas, onde a principal pesquisa está sendo feita," disse Stone, ressaltando que a cultura ainda não chegou ao nível necessário para ser submetida à aprovação das agências reguladoras.

"O Arroz Dourado foi uma ideia promissora apoiada por boas intenções", disse Stone. "Em contraste com os ativistas anti-OGM, eu argumentei que ele merecia uma chance de mostrar sucesso. Mas se estamos realmente interessados no bem-estar das crianças pobres - em vez de apenas brigar sobre os OGM - então nós temos que fazer avaliações imparciais sobre possíveis soluções. O fato simples é que, após 24 anos de pesquisa e cultivo, o Arroz Dourado ainda está a anos de distância de estar pronto para o lançamento ".

Arroz Dourado para quem tem ouro

E, apesar da repetição à exaustão de que o Arroz Dourado possa ajudar os agricultores e as crianças pobres, a indústria não deu indícios de que, se tiver sucesso em seu desenvolvimento, vá dá-lo de graça a essas pessoas, que normalmente não têm condições de comprar nem mesmo o arroz comum e demais alimentos necessários para se alimentar e se manterem saudáveis.

Se o Arroz Dourado um dia chegar a estar pronto para o plantio e for aprovado, o mais provável é que ele se torne um produto de elite, voltado para as camadas mais ricas da população, sempre dispostas a pagar um pouco mais para cuidar da própria saúde. E os agricultores pobres e as crianças carentes de vitaminas assim continuarão, apenas passando a servir de justificativa para alguma outra pesquisa polêmica.


Ver mais notícias sobre os temas:

Ética

Genética

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão