Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

15/10/2014

Biochip imita asma para testar novos medicamentos

Redação do Diário da Saúde

Asma pessoal

As cobaias - ou modelos animais - tradicionalmente usados para testar novas drogas candidatas a medicamentos contra a asma frequentemente não conseguem imitar as reações humanas.

O resultado é que maioria dos medicamentos utilizados para tratar a asma hoje são os mesmos usados há 50 anos.

Desenvolver novas drogas é difícil também porque a asma é uma doença específica de cada paciente. Assim, o que funciona para uma pessoa não necessariamente funcionará para outra.

Uma luz no fim desse longo túnel pode estar surgindo agora por meio de uma cultura de tecidos feita com células da musculatura das vias aéreas humanas que consegue imitar uma reação asmática.

A ideia é que essa cultura possa ser usada para testar medicamentos contra a asma específica do paciente.

Biochip da asma

Uma equipe da Universidade de Harvard (EUA) desenvolveu uma imitação artificial das vias respiratórias humanas cultivando as células humanas no interior de um biochip.

O aparelho pode ser utilizado para testar novas drogas porque ele imita com precisão a forma como os músculos das vias aéreas humanas se contraem - sob circunstâncias normais e quando expostos a fatores desencadeantes da asma.

"Nós ficamos impressionados com a forma como o chip reproduziu o funcionamento das vias aéreas humanas," disse o professor Kevin Kit Parker, coordenador da equipe.

Biochip imita asma para teste de novos medicamentos
O biochip imita com precisão a forma como os músculos das vias aéreas humanas se contraem - sob circunstâncias normais e quando expostos a fatores desencadeantes da asma. [Imagem: Wyss Institute/Harvard SEAS]

O biochip, um conduíte de polímero macio montado sobre uma base de vidro, contém uma rede de microcanais e camadas de células musculares humanas modificadas, concebidas para simular a estrutura laminar das camadas musculares das vias respiratórias humanas.

Asma artificial

Para imitar uma resposta típica da asma alérgica, a equipe introduziu interleucina-13 (IL-13) no chip, uma proteína natural frequentemente encontrada nas vias respiratórias de pacientes asmáticos e associada à resposta do músculo à presença de um alérgeno.

Em seguida, eles introduziram a acetilcolina, um neurotransmissor que faz com que o músculo liso se contraia. O resultado foi que a musculatura hipercontraiu, imitando o que acontece na asma.

Agora a equipe vai usar o biochip e essa asma simulada para testar novos candidatos a medicamentos. A avaliação de medicamentos específicos por paciente dependeria da criação de um biochip a partir das células de cada paciente.


Ver mais notícias sobre os temas:

Biochips

Sistema Respiratório

Alergias

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento