Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

05/05/2012

Biossensores ajudam a melhorar desempenho de atletas de ponta

Com informações da BBC

Sensores biológicos

Os biossensores, pequenos chips implantados no corpo de alguns atletas, permitem que suas reações sejam melhor analisadas em termos fisiológicos e biomecânicos, possibilitando a melhora de seu desempenho.

Apesar de existirem há algum tempo (medindo, por exemplo, frequências cardíacas), ocorreram significativos avanços recentes na tecnologia destes chips, fazendo com que os atletas "chipados" tenham ganhos significativos em relação aos seus concorrentes.

"Os biossensores representam uma nova fronteira para o esporte. Agora podemos obter dados dos desempenhos de atletas remotamente e em tempo real", diz Leslie Saxon, da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos.

"Podemos obter detalhes como a aceleração e a posição, frequência cardíaca, respiração e o cansaço. Além disso, podemos comparar os dados com estatísticas e análises para obter uma imagem completa da condição física de um atleta e como seu corpo reage durante uma prova", afirma.

"Tudo isso proporciona uma visão completa dos fatores que influem no rendimento, como qual foi a alimentação e a que horas ela aconteceu no dia anterior e quantas horas o atleta dormiu na noite anterior", completa.

Emerson Franchini e seus colegas da USP (Universidade de São Paulo) recentemente estenderam essas possibilidades para esportes sem movimentos padronizados, possibilitando monitorar atletas de esportes complexos, como judô.

Corpo em condições extremas

Os dados permitem que sejam desenvolvidos treinamentos específicos para melhorar o desempenho, além de ajudar a prevenir possíveis riscos para o atleta, como problemas cardíacos.

Os biossensores também ajudam ainda a prevenir lesões e prolongar a carreira de um atleta.

Pankaj Vadgama, do Instituto Queen Mary da Universidade de Londres, é um dos responsáveis pelo desenvolvimento das pequenas agulhas (que medem poucos milímetros, para evitar incômodos) usadas para monitorar os níveis de oxigênio, glucose e lactose nos atletas. Desde o final de 2011 a entidade começou a realizar testes com humanos.

"Um atleta sob pressão parece com um paciente em estado de choque. O corpo está em condições extremas", diz ele.

"Aprendemos nos últimos 20 anos que os parâmetros fisiológicos, como o oxigênio na respiração e o ritmo cardíaco, fornecem informações muito valiosas sobre o estado de seu rendimento, mas até agora não havíamos conseguido obter essas informações em forma de leitura contínua", completa.


Ver mais notícias sobre os temas:

Biochips

Atividades Físicas

Exames

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?