Boxe causa danos neuropsiquiátricos

Nocaute cerebral

Até 20% dos boxeadores profissionais desenvolvem sequelas neuropsiquiátricas.

Mas quais complicações agudas e sequelas tardias os boxeadores podem esperar ao longo da sua carreira?

Estas foram as questões estudadas por Hans Förstl e seus colegas da Universidade Técnica de Munique, na Alemanha.

A sua avaliação dos maiores estudos sobre o tema da saúde dos lutadores de boxe nos últimos 10 anos mostrou que o nocaute, que está de acordo com as regras do esporte e que, em termos neuropsiquiátricos, corresponde à concussão cerebral, produz os piores danos.

Depois de um nocaute, consequências menos graves incluem sintomas como dores de cabeça persistentes, problemas auditivos, náuseas, andar instável e esquecimento.

Consequências do boxe

Mas o nocaute não é o único vilão: os pugilistas têm um risco substancial de lesão aguda na cabeça, coração e esqueleto.

Os défices cognitivos após o trauma crânio-encefálico duram significativamente mais do que os sintomas que podem ser percebidos pelo indivíduo.

Cerca de 10 a 20% dos pugilistas desenvolvem deficiências neuropsiquiátricas persistentes.

O trauma cerebral repetido ao longo de uma carreira no boxe pode resultar na demência do pugilista que é neurobiologicamente similar à doença de Alzheimer e tão importante a ponto de receber sua própria designação: demência pugilística.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cérebro

Mente

Neurociências

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.