Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

16/11/2011

Começa corrida pela fabricação de carne artificial

Com informações da BBC
Começa a corrida pela fabricação de carne artificial
Cientistas começam uma corrida para substituir o abate de animais pelo cultivo de carne sintética em laboratório, a partir de células-tronco de animais. [Imagem: BBC]

Carne de laboratório

Um cientista holandês acaba de receber cerca de R$700 mil para fabricar um hambúrguer.

Poderia parecer uma barbada, não fosse o fato de que isso deverá ser feito sem usar a carne de um animal.

O Dr. Mark Post, da Universidade de Maastricht, é um dos pioneiros em um campo ainda emergente, mas que os especialistas afirmam representar o futuro: a produção de carne artificial, ou carne sintética.

Embora alguns filmes postados na internet, mostrando o abate de animais, estejam fazendo um número cada vez maior de pessoas deixar de consumir carne, o Dr. Post afirma que o problema é mais substantivo.

"O problema básico com a atual produção de carne é que ela é ineficiente," afirma ele.

Fábricas de carne

Em vez de moer a carne de um animal para fazer seu hambúrguer, o Dr. Post está cultivando seus bifes em laboratório, diretamente a partir de células-tronco musculares de animais.

Se ele tiver sucesso, a tecnologia poderá mudar a forma como produzimos alimentos: "Nós queremos transformar a produção de carne, passando das fazendas de criação de gado para um processo fabril," afirma ele.

A ideia original foi do também holandês Willem van Eelen, que perseguiu a ideia por décadas, sem muito sucesso.

Com o advento das pesquisas com células-tronco, contudo, inúmeros grupos de pesquisa ao redor do mundo acreditam que o momento da carne artificial finalmente chegou.

Bifes para astronautas

Em 2002, a NASA financiou o Dr. Morris Benjaminson, da Universidade Touro, em Nova Iorque, para tentar fazer carne de células cultivadas em laboratório para alimentar astronautas.

Ele retirou células musculares de peixinhos dourados e fez com que elas crescessem fora do corpo do animal.

O filé foi marinado e um painel de avaliadores concluiu que ele se parecia e cheirava como um filé de peixe real - mas eles não puderam comê-lo porque as leis sanitárias impedem o consumo de produtos experimentais.

Infelizmente, a NASA encontrou formas mais baratas de alimentar os astronautas e as pesquisas foram interrompidas.

Começa a corrida pela fabricação de carne artificial
Os hambúrgueres de carne sintética já começaram a ser cultivados, mas ainda são duros e sem sabor. [Imagem: BBC]

Frentes de pesquisa

Em 2005, o Dr. van Eelen finalmente convenceu o governo holandês a apostar na fabricação de carne artificial, recebendo um financiamento de quase R$5 milhões.

A equipe atacou várias frentes.

Uma parte da equipe explorou como as células-tronco embrionárias poderiam ser forçadas a se diferenciar em células musculares.

Um segundo grupo começou a investigar como as células musculares poderiam ser induzidas a se tornar maiores.

Um terceiro grupo começou a estudar o meio de cultura ótimo para a criação de carne em laboratório.

Recentemente o dinheiro acabou, e agora as pesquisas continuam em ritmo mais lento, ainda sem frutos definitivos.

Hambúrguer sintético

No início de 2011, um filantropista anônimo procurou o Dr. Post, que já trabalhou com o Dr. van Eelen, e propôs pagar bem por um hambúrguer de carne artificial.

"Será provavelmente o hambúrguer mais caro que já vimos neste planeta," brinca o pesquisador.

Entrando na onda, a ONG PETA (People for the Ethical Treatment of Animal) acaba de anunciar um prêmio de US$1 milhão para a primeira empresa a colocar a carne sintética em pelo menos seis estados norte-americanos até 2016.

Sashimi sintético

Mas a primeira pessoa a comer carne artificial já teve seus cinco minutos de fama: um jornalista de uma TV russa que visitou o laboratório do Dr. Post.

"Ele simplesmente pegou [o pedaço de carne] e enfiou-o na boca antes que eu pudesse falar nada," contou o Dr. Post.

Segundo o jornalista, a carne artificial parecia uma goma de mascar e não tinha sabor.

Ou seja, ele confirmou o ditado que diz que o apressado come cru... e sem tempero.


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Consumo Responsável

Células-tronco

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?