Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

29/06/2015

Comportamento dos voluntários altera testes de medicamentos

Redação do Diário da Saúde
Comportamento dos voluntários altera testes de medicamentos
Os ensaios duplo-cego não levam em consideração os efeitos que o comportamento dos pacientes voluntários, tais como dieta, estilo de vida e crença nos remédios, podem ter sobre o tratamento testado, alerta Snowberg. [Imagem: Stephanie Diani/Caltech]

Para testar a eficácia dos novos medicamentos e de novos tratamentos, são usados ensaios clínicos.

Contudo, estes ensaios não monitoram como o comportamento humano - o comportamento dos voluntários - influencia a eficácia dessas terapias e drogas.

Assim, é chegado o momento de propor uma abordagem alternativa, capaz de rastrear as influências comportamentais humanas, defendem Erik snowberg (Caltech), Sylvain Chassang (Universidade de Princeton) e Ben Seymour (Universidade de Cambridge), em um artigo recém-publicado na revista científica PLOS One.

Ensaios controlados

Quando um novo tipo de droga ou terapia são descobertos, o padrão-ouro para avaliar sua eficácia é o chamado ensaio duplo-cego randomizado.

Esses testes, que têm sido usados há anos, foram concebidos para determinar a verdadeira eficácia de um tratamento, isento de vieses introduzidos pelos pacientes ou pelos médicos que conduzem o ensaio.

O problema é que eles não levam em consideração os efeitos que o comportamento dos pacientes voluntários - tais como dieta, estilo de vida e crença nos remédios - podem ter sobre o tratamento testado.

Uma meta-análise de seis desses ensaios clínicos, feita pela equipe, confirma que o comportamento pode ter um sério impacto sobre a eficácia de um tratamento e que os procedimentos duplo-cego atualmente utilizados não avaliam os efeitos do comportamento sobre o tratamento.

Por exemplo, um paciente que acredita nos resultados da nova droga pode aderir religiosamente a seu regime de tratamento, enquanto alguém mais cético pode pular algumas doses.

Ensaio dois a dois

Para resolver isso, os pesquisadores propõem um novo tipo de ensaio, chamado de "teste dois a dois", que pode identificar interações comportamento-tratamento.

O novo ensaio continua aplicando o tratamento aleatoriamente no modelo duplo-cego, mas também randomiza a probabilidade do tratamento, o fator que pode alterar o comportamento do paciente.

Em um ensaio dois a dois, em vez de os pacientes serem atribuídos a um de dois grupos - grupo que recebe o medicamento ou grupo de controle -, eles são selecionados aleatoriamente para um grupo de "alta probabilidade de tratamento" ou um grupo com "baixa probabilidade de tratamento".

Randomizando tanto o tratamento quanto a probabilidade de tratamento, os pesquisadores médicos podem quantificar os efeitos do tratamento, os efeitos do comportamento, e os efeitos da interação entre o tratamento e o comportamento. Determinar cada um deles, disse Snowberg, é essencial para a compreensão da eficácia global do tratamento.


Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Comportamento

Tratamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?