Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

14/01/2015

Computador identifica expressões de dor em recém-nascidos

Com informações da Agência Fapesp
Computador identifica expressões de dor em recém-nascidos
Durante o período de monitoramento, as expressões faciais dos bebês foram registradas em tempo real por três câmeras, posicionadas à esquerda, à direita e acima do recém-nascido. O aparato agora será utilizado para acompanhamento de outros bebês enfermos. [Imagem: Ag.Fapesp]

Dor sem palavras

Pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) desenvolveram um software que detecta expressões faciais relacionadas à sensação de dor em recém-nascidos.

De acordo com a professora Ruth Guinsburg, a iniciativa surgiu da dificuldade enfrentada por cuidadores de recém-nascidos em unidades de terapia intensiva (UTI) no reconhecimento e na avaliação dos sinais de dor.

"Essa subjetividade acaba dificultando eventuais intervenções, já que há uma série de fatores que podem levar o recém-nascido a demonstrar certos incômodos nem sempre relacionados a dor. A pesquisa viabiliza um instrumento útil para monitorar a dor do bebê na rotina das unidades neonatais", explica ela.

Em crianças que ainda não são capazes de verbalizar, o reconhecimento da dor hoje é feito com base em indicadores comportamentais e fisiológicos, como respostas motoras simples, expressões faciais e choro.

Sistema de Codificação Facial Neonatal

O programa, baseado em identificação biométrica, mapeou e detectou 66 pontos da face dos bebês, reduzidos em seguida a 16 pontos nodais principais a partir dos quais foram selecionados aqueles que mais se movimentavam quando era expressa dor aguda provocada por algum procedimento médico.

As distâncias entre os pontos serviram de base para detectar as expressões faciais que, de acordo com a escala adotada pela pesquisa - NFCS, sigla em inglês para Sistema de Codificação Facial Neonatal - demonstram sinais de dor: fronte saliente, fenda palpebral estreitada, sulco nasolabial aprofundado, boca aberta e boca tensa.

"Observamos que o software não detectou expressões de dor em 85% das imagens feitas enquanto os bebês repousavam, sem que estivessem sendo submetidos a qualquer procedimento doloroso. Já durante a realização dos procedimentos, em 100% das imagens foram detectadas expressões de dor pelo programa, enquanto alguns profissionais as identificaram em apenas 77% das fotografias", contou Guinsburg.

A precisão com que o software detectou as expressões possibilita torná-lo um importante instrumento para auxiliar equipes de saúde em UTIs neonatal.

Os pesquisadores trabalham agora na adaptação do software para monitoramento de bebês enfermos, aprimorando as câmeras e adequando o sistema para que ele possa ser usado à beira do leito.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cuidados com o Recém-nascido

Equipamentos Médicos

Softwares

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão