Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

17/04/2013

Conselho Federal de Medicina contraria juramento médico e apoia aborto

Redação do Diário da Saúde

"Somos a favor da vida, mas queremos respeitar a autonomia da mulher que, até a 12ª semana, já tomou a decisão de praticar a interrupção da gravidez."

Com este sofisma, o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Roberto Luiz d´Avila, mostrou que o órgão responsável por cuidar da boa aplicação da Medicina no Brasil está disposto a rasgar o próprio juramento da profissão.

O Código de Ética Médica, que contém o juramento que todo médico deve fazer para assumir a profissão, afirma que o profissional de Medicina "jamais utilizará seus conhecimentos para causar sofrimento físico ou moral, para o extermínio do ser humano ou para permitir e acobertar tentativa contra sua dignidade e integridade".

Ao apoiar o aborto, o CFM endossa não apenas autoriza "causar sofrimento físico", mas o "extermínio do ser humano" de forma cabal e definitiva.

E não de qualquer ser humano, mas de seres humanos na sua fase mais indefesa e mais misteriosa, aquela fase em que a vida que a Medicina promete defender se desenvolve com uma magia que parece fugir à possibilidade de encantamento dos nossos "profissionais da vida".

"Quem vai decidir a descriminalização do aborto é a sociedade brasileira, por meio do legislativo, o que nós fizemos foi encaminhar a nossa posição", enfatizou o presidente do CFM.

Ou seja, o órgão reconhece que não lhe cabe decidir, que este não é um assunto de sua alçada mas, mesmo assim, oferece-se para rasgar o juramento da Medicina que construiu a fé de toda a população de que, ao entregar-se aos cuidados de um médico, estará ao amparo de alguém que irá se dedicar a proteger sua vida.

A contradição da decisão é tão patente que, praticamente ao mesmo tempo, ao discutir a aplicação de técnicas de hematologia e hemoterapia, o Conselho Federal de Medicina emitiu nota à classe médica e ao público afirmando que "É vedado ao médico deixar de obter consentimento do paciente ou de seu representante legal após esclarecê-lo sobre o procedimento a ser realizado, salvo em caso de risco iminente de morte."

Ou seja, para garantir a vida, o médico não deve se submeter aos caprichos e desejos do paciente: cabe-lhe simplesmente preservar a vida.

Mas isso não se aplica ao caso do aborto: nesse caso, basta ouvir a mulher em um dos seus momentos emocionais mais críticos, quase sempre incapaz de decidir qualquer coisa sobre o próprio futuro, para que o médico se esqueça completamente da defesa da vida e opere em favor do assassinato de um ser humano que não consegue se defender.

Igualmente de forma estranha, a Sociedade Brasileira de Bioética - que entidade que se propõe a defender a ética da vida - ofereceu-se para publicar nota apoiando a decisão do CFM. Ou seja, parece não haver a quem apelar nessa sentença de morte coletiva que determina o extermínio de inocentes.

Que razões poderiam explicar uma decisão na qual os médicos rasgam seu próprio juramento de vida? Será que o aborto pode render tantos recursos financeiros para os médicos a ponto de que o dinheiro tenha-se anteposto à defesa da vida?

Preferimos pensar que o conhecimento que esses profissionais que controlam o exercício da Medicina acreditam ter seja muito menos amplo do que eles próprios creem, e que estejam se baseando unicamente em sua ignorância sobre o que é e o que significa a vida.


Ver mais notícias sobre os temas:

Aborto

Ética

Violência

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?