Crianças nascidas por cesárea têm duas vezes mais obesidade

Alterações fisiológicas da cesariana

Quando crianças que nasceram de cesariana atingem os três anos idade, seu nível de obesidade é duas vezes maior do que entre as que nasceram por parto normal.

Esta conclusão, que vem reforçar estudos anteriores, é de pesquisadores do Boston Children's Hospital (EUA).

A equipe acredita que a cirurgia possa afetar a flora bacteriana do aparelho digestivo, causando alterações no modo como o alimento é digerido.

Segundo os especialistas, haveria diferenças na composição da flora bacteriana do aparelho digestivo adquirida no parto normal e na cesárea.

Já é sabido também que a cesárea aumenta a ocorrência de alergia nas crianças.

Excesso de cesáreas

Os bebês foram medidos e pesados ao nascer e quando atingiram três anos. Cerca de um quarto havia nascido por cesárea e o restante por parto normal.

Os pesquisadores descobriram que as mulheres que fizeram cesárea tendiam a pesar mais que as que tiveram parto normal - uma característica que poderia influenciar a tendência a obesidade em seus bebês.

As taxas de cesariana vêm aumentando em todo o mundo, mas, no Brasil, alcançam níveis impensáveis para os países desenvolvidos, já Cesarianas respondendo por quase metade dos partos no país.

Estudos feitos no Brasil mostram que as grávidas preferem parto normal, mas acabam fazendo cesariana, ainda que o parto induzido aumente o risco para mulheres e bebês.

Nem mesmo o sistema público de saúde no Brasil incentiva o parto normal.

Vale também para adultos

Enquanto este estudo acompanhou as crianças apenas até os três anos de idade, cientistas da USP fizeram o mesmo até os 25 anos de idade.

Segundo a equipe do Dr. Marco Antonio Barbieri, as chances de que uma pessoa que nasce por cesariana ficar obesa na fase adulta são 58% maiores do que quem nasce de parto normal.


Ver mais notícias sobre os temas:

Obesidade

Gravidez

Saúde da Mulher

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.