Crianças que recuperaram visão resolvem enigma de três séculos

Crianças que recuperaram visão resolvem enigma secular
A capacidade das crianças em integrar o toque e a visão foi rápida demais para ser explicada pelas reconexões neurais no cérebro.
[Imagem: Pawan Sinha]

Filosofia da mente

Mais de 300 anos atrás, o cientista William Molyneux propôs o seguinte enigma: Imagine uma pessoa cega de nascença e que, de repente, torne-se capaz de ver.

Imediatamente depois de ganhar à visão, seria ela capaz de distinguir visualmente entre os objetos que identificava previamente apenas pelo toque?

"Desde então, esta tem sido uma das questões mais importantes na filosofia da mente," explica Pawan Sinha, professor do MIT na área do cérebro e ciências cognitivas.

No entanto, a questão permaneceu apenas um experimento mental durante séculos, pois não havia nenhuma boa maneira de testá-lo - até agora.

Aprendizado rápido

Em um estudo com pacientes cegos na Índia, cuja visão foi restaurada no final da infância ou início da adolescência, Sinha e seus colegas descobriram que os pacientes não são imediatamente capazes fazer uma conexão entre o que eles viram o que sentiram.

No entanto, eles adquiriram essa habilidade dentro de alguns dias após a cirurgia.

Os resultados, que aparecem na edição online da revista Nature Neuroscience, sugerem que a resposta ao enigma de Molyneux é não.

O cérebro não teria uma habilidade inata para conectar diferentes tipos de estímulos sensoriais - no entanto, ele pode rapidamente aprender a fazê-lo.

Percepção tátil e percepção visual

No primeiro teste, foi mostrado um objeto novo às crianças, feito de peças de plástico, que foi depois retirado. Em seguida, foram mostrados dois objetos, e as crianças deveriam identificar o original.

Esse teste determina que as crianças podem ver bem o suficiente para identificar as propriedades relevantes do objeto, e que elas compreendam a tarefa. Os pacientes realizaram o teste com mais de 90 por cento de precisão.

Os pacientes também tiveram um bom desempenho em um teste em que tinham de identificar, somente pelo toque, um objeto que eles já haviam manuseado anteriormente.

Finalmente, os pacientes deviam identificar visualmente um objeto que eles já haviam manuseado anteriormente.

Nesses casos, os acertos praticamente se equivaleram à adivinhação, algo como 50% de erro e 50% de acerto.

Toque e visão

No entanto, quando os pesquisadores repetiram o teste apenas uma semana depois, os pacientes apresentaram melhora dramática nesse teste de toque e visão.

As crianças foram testadas com objetos diferentes daqueles que elas encontraram durante a primeira sessão, e não receberam nenhum tipo de treinamento entre as duas sessões.

Esta melhoria rápida foi surpreendente, diz Yuri Ostrovsky, coautor do estudo.

Ele ressalta que muitas tarefas visuais, tais como a percepção da face, podem levar de seis a 12 meses para serem aprendidas depois que a visão é restabelecida.

Estabelecendo conexões

O experimento, além de resolver um enigma secular, está dando contribuições valiosas para a compreensão que os neurocientistas têm do desenvolvimento do cérebro e da sua plasticidade - a capacidade do cérebro de se alterar em resposta à informação sensorial.

Os pesquisadores acreditam que o cérebro aprende a fazer conexões entre diferentes tipos de estímulos sensoriais através da análise temporal de cada estímulo.

Por exemplo, quando você olha para seu telefone celular e o ouve tocar, o seu cérebro recebe informações sincronizadas de dois sentidos diferentes - visão e audição. "O cérebro tem que essencialmente olhar para a sequência temporal e descobrir a correspondência", disse Sinha.

Mas a capacidade das crianças em integrar o toque e a visão foi rápida demais para ser explicada pelas reconexões neurais no cérebro.

Teoricamente, elas precisariam de pelo menos alguma experiência visual para aprenderem a traduzir as informações de um sentido em outro. Mas não foi isto o que a prática mostrou.

Ou seja, parece que as crianças não partiram realmente do zero, tendo alguma capacidade inata que as fez reagir ao funcionamento do novo sentido.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Olhos e Visão

Cérebro

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.