Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

24/06/2013

Depressão desajusta relógio biológico

Redação do Diário da Saúde

Um estudo do cérebro de pessoas saudáveis e de pessoas com depressão revelou que o relógio biológico de pessoas com depressão é alterado em nível celular.

Cada célula do nosso corpo possui um relógio de 24 horas, ajustado com os ciclos noite e dia e claro e escuro.

O cérebro funciona como um cronômetro, mantendo o relógio celular em sincronia com o mundo exterior, para que ele possa governar o nosso apetite, sono, humor e muito mais.

Mas a nova análise mostrou que o relógio biológico pode ser não funcionar corretamente nos cérebros de pessoas com depressão - mesmo no nível da atividade dos genes dentro de suas células cerebrais.

É a primeira evidência direta de que os ritmos circadianos são alterados no cérebro de pessoas com depressão, e mostra que eles operam fora de sincronia com o ciclo dia e noite.

Além disso, a pesquisa também revelou um ritmo diário até então desconhecido, envolvendo a atividade de vários genes em muitas áreas do cérebro - ampliando ainda mais a já conhecida importância desse nosso relógio mestre.

Depressão desajusta relógio biológico
O relógio biológico nas células cerebrais das pessoas saudáveis (esquerda) coincidia exatamente com a hora do momento de sua morte. Contudo, nas pessoas deprimidas (direita), os dois estavam totalmente fora de sincronia. [Imagem: U. Michigan]

Relógio biológico deprimido

A descoberta foi feita usando uma grande quantidade de dados recolhidos a partir de cérebros doados para estudos, de pessoas deprimidas e não-deprimidas.

O relógio biológico nas células cerebrais das pessoas saudáveis coincidia exatamente com a hora do momento de sua morte.

Contudo, nas pessoas deprimidas, os dois estavam fora de sincronia.

Segundo os pesquisadores, esta descoberta pode levar a um diagnóstico mais preciso e a um tratamento para uma doença que afeta mais de 350 milhões de pessoas em todo o mundo.

Agora, eles querem usar essas informações para ajudar a encontrar novas maneiras de prever a depressão, melhorar o tratamento para cada paciente deprimido, e até mesmo encontrar novos medicamentos ou outros tipos de tratamento.

Uma das possibilidades, segundo eles, pode ser a identificação de biomarcadores para a depressão - moléculas indicadoras que podem ser detectadas no sangue, na pele ou no cabelo.


Ver mais notícias sobre os temas:

Depressão

Cérebro

Mente

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?