Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

14/11/2014

Descanso mental reforça memória e aprendizado futuro

Redação do Diário da Saúde
Descanso mental reforça memória e aprendizado futuro
Os resultados têm grande impacto para estudantes e profissionais que precisam capturar e reter informações rapidamente. [Imagem: Jeff Luci]

Descansar a mente, deixando-a vagar em um devaneio, ajuda a fortalecer as memórias de eventos recentes e reter informações adquiridas recentemente.

A novidade é que, mais do que isso, o descanso adequado ajuda a aumentar o aprendizado futuro.

Os pesquisadores mostraram que o tipo certo de descanso mental reforça e consolida as memórias de tarefas recentes de aprendizagem e estabelece conexões que facilitam aprender coisas novas.

Aprendizagem futura

Margaret Schlichting e Alison Preston, da Universidade do Texas em Austin (EUA) deram aos voluntários do estudo duas tarefas de aprendizagem em que os participantes deviam memorizar diferentes séries de pares de fotografias associadas.

Entre as tarefas, os participantes descansavam e podiam pensar em qualquer coisa que escolhessem.

Mas exames cerebrais revelaram que aqueles que usaram esse tempo para refletir sobre o que tinham aprendido no início do dia se saíram melhor nos testes que fizeram a seguir sobre o que haviam aprendido.

Além disso, esses participantes absorveram melhor informações que lhes foram fornecidas mais tarde, mesmo que estas fossem apenas vagamente relacionadas com o que haviam aprendido mais cedo.

"Nós mostramos pela primeira vez que a forma como o cérebro processa a informação durante o repouso pode melhorar a aprendizagem futura," disse Preston. "Nós acreditamos que revisar as memórias durante o repouso torna essas memórias mais fortes, não apenas afetando o conteúdo original, mas impactando as memórias que estão por vir.

Teorias às avessas

Até agora, os cientistas assumiam que as memórias anteriores são mais susceptíveis de interferir negativamente com um novo aprendizado porque produziriam uma espécie de "engarrafamento" nos processos cerebrais.

Este novo estudo mostra que, pelo menos em algumas situações, o oposto é que é verdadeiro.

"Nada acontece de forma isolada," defende Preston. "Quando você está aprendendo algo novo, você traz à mente todas as coisas que você sabe que estão relacionadas a essa nova informação. Ao fazer isso, você incorpora a nova informação em seu conhecimento existente."


Ver mais notícias sobre os temas:

Educação

Memória

Meditação

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?