O dinheiro corrompe, mas o tempo salva

O dinheiro corrompe, mas o tempo salva
Outros estudos já haviam mostrado que respeito importa mais do que dinheiro.
[Imagem: Wikimedia]

Pensar em dinheiro aumenta a tendência das pessoas a se comportar de modo desonesto.

Por outro lado, pensar em tempo tem o efeito oposto.

A conclusão está em um artigo publicado no jornal científico Psychological Science.

Os autores submeteram centenas de voluntários a quatro experimentos envolvendo tarefas como resolver enigmas de palavras com letras misturadas.

As tarefas foram criadas para induzir os voluntários a pensar em "tempo", "dinheiro", ou em nada em particular.

Ao final das tarefas, os voluntários tinham de declarar quantos problemas haviam sido capazes de resolver.

Resultado: os participantes que tinham sido levados a pensar em dinheiro mentiram, citando um número maior de soluções que o real, muito mais do que os que haviam sido induzidos a pensar em tempo, e que os que tinham realizado as tarefas neutras.

Já pensar em tempo fez com que as pessoas trapaceassem menos do que os colegas que tinham pensado em dinheiro e até dos que haviam recebido os problemas neutros.

Os autores do estudo - das universidades de Harvard e da Pensilvânia - concluíram que pensar no conceito de tempo leva o indivíduo a refletir sobre sua vida, seu caráter e a imagem que tem de si mesmo, o que põe as questões éticas em perspectiva.

Já pensar em dinheiro parece levantar algum tipo de comportamento do tipo "vale tudo".


Ver mais notícias sobre os temas:

Ética

Comportamento

Felicidade

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.