Embriões humanos em laboratório atingem o limite ético

Bioética

Cientistas anunciaram um avanço no desenvolvimento de embriões humanos em laboratório que colocou a comunidade acadêmica com as orelhas em pé.

Neste caso, avanço tem duplo sentido, porque houve de fato um desenvolvimento científico, mas também o trabalho "avança" até o limite do que é considerado legal em termos de manipulação de embriões humanos em laboratório.

E, como era de se esperar, a parcela da comunidade científica que lida diretamente na área já está pedindo que esse limite seja ampliado, o que levanta sérias questões no campo da bioética.

De embrião a indivíduo

Uma equipe do Reino Unido e dos Estados Unidos conseguiu pela primeira vez fazer com que um embrião humano se desenvolvesse em laboratório, fora do útero de uma mãe, por 13 dias - a equipe garante que o experimento foi interrompido antes de ser atingido o limite legal de 14 dias.

O limite de 14 dias foi estabelecido porque, a partir desse ponto, o embrião torna-se um "indivíduo", já que não é mais possível que ele forme um gêmeo.

O tempo alcançado é praticamente o dobro do que havia sido conseguido antes. Técnicas de reprodução assistida exigem o "cultivo" do embrião, mas ele é mantido apenas até a implantação no útero.

Embriões humanos em laboratório atingem o limite ético
O avanço na cultura de embriões humanos em laboratório reacendeu o debate ético sobre a duração desses experimentos, de acordo com a revista Nature.
[Imagem: Alessia Deglincerti/Gist Croft/Ali H. Brivanlou]

A equipe afirma ter encontrado uma forma de imitar quimicamente o ambiente do útero para que o embrião continuasse a se desenvolver. Não se sabe até que ponto o desenvolvimento normal prosseguiria, já que ele foi destruído.

Além disso, à medida que se desenvolve, o embrião passa a exigir um conjunto de condições e nutrientes complexo demais e ainda desconhecido, o que leva a crer que, se mantido por mais tempo, ele não prosseguirá a rota normal de desenvolvimento, apresentará deformidades e morrerá.

Discussões

Os cientistas argumentam que experimentos desse tipo estão mostrando novos detalhes do desenvolvimento humano, quando as células começam a se organizar para formar um corpo e que isto poderia eventualmente ajudar na melhoria das terapias de reprodução assistida.

Outros especialistas questionam a validade desses experimentos em seres humanos, já que experimentos desse tipo em animais são feitos há décadas.


Ver mais notícias sobre os temas:

Ética

Genética

Reprodução Assistida

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.