Estimular o cérebro com eletricidade acelera aprendizado

Choque de aprendizado

Aplicar uma pequena corrente elétrica em partes específicas do cérebro parece aumentar sua atividade.

Segundo a Dra. Heidi Johansen-Berg, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, essa estimulação elétrica pode otimizar o processo de aprendizado.

Os cientistas estudaram o cérebro de pacientes que sofreram derrame e que estavam reaprendendo a executar movimentos com os braços e as pernas.

As imagens de ressonância magnética foram então comparadas com imagens do cérebro de pessoas saudáveis.

Áreas do cérebro

A principal conclusão do estudo confirma a elevada plasticidade do cérebro, que se reestrutura, criando novas conexões e transferindo funções das partes danificadas para partes saudáveis.

Esta é mais uma pesquisa que questiona o paradigma atualmente aceito de que o cérebro é dividido em zonas funcionais. Em vez disso, o cérebro parece atribuir as tarefas conforme a necessidade e as contingências.

A seguir, eles queriam saber se é possível estimular eletricamente o cérebro das pessoas que sofreram derrame - de forma não invasiva - para que ele reaprenda as aptidões motoras mais rapidamente.

Deu certo.

Velocidade de aprendizado

Mas o melhor estava por vir.

Os cientistas perceberam que a velocidade de aprendizado dos adultos saudáveis que serviam como parâmetro para a pesquisa também aumentou quando eles receberam a estimulação elétrica.

No experimento, os voluntários tinham que memorizar uma sequência de botões.

A seguir, o experimento foi repetido colocando nos voluntários um aparelho de estimulação transcraniana, que possui dois eletrodos para aplicar uma corrente de 1 miliampere em uma posição específica da cabeça.

Os resultados mostraram que a atividade dessa parte do cérebro aumenta ou diminui dependendo da direção da corrente elétrica - a direção é alterado invertendo-se os pólos negativo e positivo entre os dois eletrodos.

O efeito foi obtido após 10 minutos de aplicação da corrente.

Agora os cientistas querem avaliar se o mecanismo também funciona para "aprendizados educacionais".


Ver mais notícias sobre os temas:

Cérebro

Educação

Neurociências

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.