Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

12/11/2013

Exame radioativo identifica risco de ataque cardíaco

Com informações da BBC
Exame radioativo identifica risco de ataque cardíaco
A área em laranja mostra onde se formou uma placa na artéria. [Imagem: BBC]

Médicos escoceses desenvolveram uma nova forma de escanear o coração que pode ajudar a identificar o risco de ataques cardíacos.

A técnica detecta a formação de placas nas artérias que levam sangue ao coração.

Se uma dessas placas de gordura se rompe, a artéria pode ficar obstruída, bloqueando o fluxo do sangue e provocando o ataque cardíaco.

O grupo da Universidade de Edimburgo (Escócia) usou um contraste radioativo - uma substância química que "marca" as placas, que então aparecem nas imagens.

A grande vantagem é que o novo exame detecta formações que não aparecem nos exames atuais.

A imagem gerada mostra um retrato detalhado do coração, com as zonas de perigo claramente identificadas - uma técnica semelhante é usada para detectar o local exato de tumores em pacientes com câncer.

Esta é a primeira vez que se consegue localizar as placas usando agentes químicos.

O desafio agora é achar as zonas de perigo antes - e não depois - do ataque cardíaco, como se fez no desenvolvimento da técnica.

"Eu acredito que nem todas as placas detectadas causarão ataques cardíacos, mas isso pode ser útil para identificar pacientes de alto risco que precisam de terapias mais agressivas", disse o cardiologista Marc Dweck, um dos autores do estudo.

Agora a técnica terá que ser avaliada por outros cientistas e, finalmente, testada em pacientes de alto risco cardíaco com o intuito de verificar sua aplicabilidade clínica.


Ver mais notícias sobre os temas:

Exames

Coração

Prevenção

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão